Em Davos, Haddad diz que apresentará novo arcabouço fiscal até abril

Prazo indicado é 4 meses mais curto do que o exigido pela PEC da Transição e representa novo aceno a agentes econômicos

Marcos Mortari

Os ministros Fernando Haddad (Fazenda) e Marina Silva (Meio Ambiente e Mudança Climática) participam do Fórum Econômico Mundial, em Davos (Foto: Secom PR)

Publicidade

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT), afirmou, nesta terça-feira (17), que enviará ao Congresso Nacional, “no máximo até abril”, a proposta do novo arcabouço fiscal, que deverá substituir o teto de gastos – regra fiscal que limita o crescimento de despesas públicas em um exercício à inflação acumulada no ano anterior.

O prazo indicado é quatro meses mais curto do que o exigido pela Emenda Constitucional nº 126/2022, que entrou em vigor a partir da PEC da Transição. A sinalização foi dada a jornalistas durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, onde o ministro participou de painel sobre as perspectivas para o Brasil ao lado da ministra do Meio Ambiente e Mudança do Clima, Marina Silva (Rede).

Haddad disse que o governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu uma “herança delicada” da gestão de Jair Bolsonaro (PL), que teria agido de forma “irresponsável” nas eleições. Mas o ministro avalia que é possível aproveitar o momento para implementar mudanças estruturais na economia brasileira que viabilizem um crescimento inclusivo.

Continua depois da publicidade

“Temos uma oportunidade de transformar essa herança”, disse. “Nós não podemos pensar apenas em reverter [as medidas tomadas pelo governo anterior]. Se nós apenas revertermos, vamos nos debruçar sobre o que estava se passando: baixo crescimento, com concentração de renda”.

“Já que abriu essa possibilidade, vamos aproveitar a oportunidade para fazer alguma coisa estrutural. Vamos rever as medidas de Bolsonaro, mas vamos pensar a perspectiva de fazer a reforma tributária, de repensar o arcabouço fiscal, porque é isso que vai dar sustentabilidade”, salientou.

De acordo com o ministro, o fiscal é “pressuposto do desenvolvimento, mas não um fim em si mesmo” e destacou agendas que julga fundamentais, como a definição de prioridades de investimentos em ciência e tecnologia, estratégias para a reindustrialização e o planejamento da matriz energética do país.

“Você tem que estar com as contas arrumadas, mas, para desenvolver o país, precisa de uma política proativa de mapear as oportunidades do país”, disse.

Na avaliação de Haddad, o mercado está “menos tenso” em relação à questão fiscal. O ministro diz que está tendo “reuniões prospectivas” em busca de parcerias com agentes internacionais e informações para o Brasil se posicionar na comunidade global.

Um dos compromissos que teve mais cedo foi com o ministro saudita de investimento, Al-Fahli, na qual tratou de concessões federais e estaduais. “O governo saudita tem interesse em investir no Brasil por meio de parceria público privadas e concessões e está atento a editais de parceria do governo brasileiro e de estados vai lançar”, disse Haddad. “É um volume de recursos disponível muito importante”.

O ministro da Fazenda se reuniu ainda com o presidente da consultoria política Eurasia, Ian Bremmer, com o qual abordou as questões geopolíticas, a relação do Brasil no novo contexto de guerra comercial entre os Estados Unidos e China, a invasão à Ucrânia e das possibilidades brasileiras na disputa internacional pela indústria e comércio.

“A retomada do crescimento [do Brasil] para nós é essencial. Qual o lugar que o Brasil vai ocupar nesse contexto, em que há uma disputa internacional por investimentos como há muito tempo não se via?”, questionou.

Sobre a agenda internacional do governo Lula, Haddad reafirmou que uma viagem aos Estados Unidos está programada para fevereiro e que deve acompanhá-lo.

“Se envolver assuntos econômicos, devo acompanhá-lo”, afirmou o ministro, que também se reuniu com o Lord Malloch Brown e Alexander Soros – filho do bilionário George Soros, da Open Society, com foco em agendas ambiental e democrática.

Questionado sobre a repercussão dos atos golpistas que culminaram na invasão ao Palácio do Planalto, ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal (STF) no dia 8 de janeiro, em Brasília, Haddad disse que “o grau de preocupação surpreendeu”.

“Eles estão muito chocados com o que aconteceu, e, de certa maneira, aliviados pelo fato de a resposta ter sido pronta e consistente”, afirmou.

Segundo ele, sua participação no evento, ao lado da ministra Marina Silva, tem o objetivo de “tranquilizar” os agentes internacionais e sinalizar que “o Brasil voltou ao jogo democrático e à mesa das grandes nações que buscam desenvolvimento com justiça social e liberdades civis e políticas”.

(com agências)

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Marcos Mortari

Responsável pela cobertura de política do InfoMoney, coordena o levantamento Barômetro do Poder, apresenta o programa Conexão Brasília e o podcast Frequência Política.