Em defesa de Lula

Em carta pública, deputados americanos fazem críticas a Moro e defendem Lula: “alvo de perseguição”

A carta, destaca o jornal Folha de S. Paulo, é endereçada ao embaixador do Brasil em Washington, Sergio Amaral

SÃO PAULO – Assim como um grupo de deputados dos partidos trabalhistas inglês e escocês, um grupo de 12 deputados do Partido Democrata dos Estados Unidos manifestará apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com informações do jornal Folha de S. Paulo, o grupo divulgará uma carta pública em defesa do petista, acusando o juiz federal Sérgio Moro, da 13ª Vara Federal de Curitiba, de perseguir o político por meio de decisões “arbitrárias”.

A carta, destaca o jornal, é endereçada ao embaixador do Brasil em Washington, Sergio Amaral. “Estamos especialmente preocupados com a perseguição do ex-presidente Lula da Silva, que viola as normas de tratados internacionais que garantem o direito da defesa para todos os indivíduos. (…) Exortamos as autoridades federais do Brasil a fazer todo o possível para proteger os direitos dos manifestantes, líderes de movimentos sociais e líderes da oposição, como o ex-presidente Lula”, diz a carta. 

O texto afirma que o o governo de Michel Temer tem agido “para proteger figuras políticas corruptas, para impor uma série de políticas que nunca seriam apoiadas em uma eleição nacional e pressionar adversários nos movimentos sociais e nos partidos de oposição.” 

PUBLICIDADE

Eles apontam que “Lula se mantém como uma das figuras políticas mais populares no Brasil de hoje e é visto como uma série ameaça nas urnas por seus oponentes políticos (…) Nos últimos meses, ele tem sido alvo de uma campanha de calúnias e acusações não comprovadas de corrupção pelos grandes veículos privados de mídia alinhados com as elites do país.” A Folha informa que alguns sindicatos e think tanks americanos também assinam a carta, entre eles a central sindical AFL-CIO, que tem mais de 12 milhões de membros. O texto critica também a PEC do teto de gastos, afirmando que “vai reverter anos de avanços econômicos e sociais”.