AO VIVO Trader mostra quando vale a pena operar Mercado de Ações e Mercado Futuro?

Trader mostra quando vale a pena operar Mercado de Ações e Mercado Futuro?

Carta a John Jerry

Em carta, 40 congressistas dos EUA veem ameaças à democracia e pedem que Kerry não apoie Temer

O Los Angeles Times informa que o embaixador do Brasil nos Estados Unidos,  Luiz Alberto Figueiredo Machado, defendeu que o processo de impeachment segue as leis do Brasil e pediu que membros do Congresso dos EUA não assinassem a carta

arrow_forwardMais sobre
Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em carta escrita na última segunda-feira (25) e revelada pelo jornal Los Angeles Times, 40 congressistas democratas dos Estados Unidos pediram que John Kerry, secretário de estado do país, não apoie o governo do presidente em exercício Michel Temer. Eles demonstram “profunda preocupação” com ameaças à democracia brasileira.

“Urgimos-lhe a ter o máximo cuidado em suas relações com as autoridades interinas do Brasil e a abster-se de efetuar declarações ou ações que possam ser interpretadas como um apoio à campanha pelo julgamento político contra a presidente Dilma Rousseff”, pediram eles a Kerry, ressaltando que o processo de cassação conta com muitos críticos que questionam suas bases legais.

O Los Angeles Times informa que o embaixador do Brasil nos Estados Unidos,  Luiz Alberto Figueiredo Machado, defendeu que o processo de impeachment segue as leis do Brasil e pediu que membros do Congresso dos EUA não assinassem a carta.

Aprenda a investir na bolsa

Segundo um dos signatários da carta, John Conyers, houve, no Brasil, uma “apropriação do poder por parte de políticos que não foram capazes de ganhar nas urnas” e o governo dos EUA deveria “pronunciar-se contra a farsa antidemocrática” no país.

Um porta-voz do Departamento de Estado confirmou para a agência EFE o recebimento da carta e disse que ela será respondida. “Estamos convencidos de que o Brasil resolverá seus desafios políticos de forma democrática e através de seu marco constitucional”, afirmou o porta-voz, ressaltando que o Departamento de Estado “continua acompanhando os eventos políticos” no país.