Ataque do ex-deputado

Eduardo Cunha ataca homem forte do governo Temer e preocupa Palácio do Planalto

Em entrevista ao jornal Estadão, ex-deputado ligou secretário do PPI Moreira Franco a irregularidades na Caixa

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO – Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o ex-presidente da Câmara e deputado cassado Eduardo Cunha atacou o secretário do Programa de Parceria de Investimentos Moreira Franco. Ao jornal, o ex-deputado ligou o secretário, um dos homens fortes do presidente Michel Temer, a irregularidades no financiamento de obras do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro.

Cunha classificou Moreira Franco como “muito mais do uma iminência parda”, o “cérebro” do governo peemedebista, e disse que o plano de concessões proposto pela nova gestão “nasce sob suspeição”. 

O ex-deputado é suspeito de ter cobrado propina da empreiteira Carioca Engenharia para liberar recursos do FI—FGTS justamente para o Porto Maravilha, um projeto de revitalização da zona portuária no Rio. Porém, o ex-deputado afirmou que a denúncia contra ele é “surreal”. “Quem comandava e ainda comanda o FI (Fundo de Investimento) chama-se Moreira Franco. E lá tem muitos financiamentos concedidos que foram perdas da Caixa. Na hora em que as investigações avançarem, vai ficar muito difícil a permanência do Moreira no governo”, afirmou. 

Aprenda a investir na bolsa

Ele afirmou ainda que muitos financiamentos concedidos pelo FI-FGTS correspondem a “perdas da Caixa”, dentre elas a Rede Energia e a Nova Cibe. “Estou levantando suspeição, em minha defesa, por uma razão muito simples. Há um inquérito instaurado com uma delação do Fábio Cleto [ex-vice-presidente da Caixa] em cima de uma operação que foi feita quando Moreira era vice-presidente da Caixa”.  Cunha também criticou Temer, por “aderir ao programa de quem perdeu a eleição”. 

De acordo com o mesmo jornal, as falas de Cunha sobre Moreira Franco preocuparam o Planalto.  Embora auxiliares de Temer atribuam as denúncias a uma “vingança” de Cunha, a avaliação foi a de que as suspeitas levantadas por ele provocam constrangimento no momento em que Moreira Franco participa da comitiva presidencial, na viagem a Nova York, justamente para apresentar o programa de concessões a potenciais investidores. 

Segundo o jornal, a percepção do Planalto é a de que Cunha quer se vingar de Moreira Franco por atribuir a ele a articulação política para cassar o seu mandato. A operação teria começado com a eleição de Rodrigo Maia (DEM-RJ), genro de Moreira Franco, para a presidência da Câmara, derrotando o grupo do peemedebista.  A leitura que aliados do governo fizeram é que, ao eleger o secretário do PPI como alvo, Cunha mostra que tem “bala para atirar”, só resta saber se ele tem provas a apresentar.