Lava Jato

Dono de construtora não tem relação com esquema da Operação Abismo, diz defesa

“Vamos para Curitiba para nos inteirarmos do que está acontecendo. Não sabemos o motivo da decretação da medida e só mesmo examinando os autos com toda a tranquilidade é que vamos saber”, disse o advogado

O advogado Aloísio Lacerda de Medeiros, que defende o empresário Roberto Ribeiro Capobianco, preso hoje (4) durante a Operação Abismo, da Polícia Federal, que é a 31ª fase da Operação Lava Jato, disse que a intenção de Capobianco é colaborar com as investigações.

“Vamos para Curitiba para nos inteirarmos do que está acontecendo. Não sabemos o motivo da decretação da medida e só mesmo examinando os autos com toda a tranquilidade é que vamos saber”, disse o advogado.

Capobianco é presidente da Construcap, ligada ao Consórcios Novo Cenpes. A Operação Abismo investiga desvios em licitações para a reforma do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), da Petrobras, no Rio de Janeiro, onde são feitos estudos sobre a exploração de petróleo em águas profundas. De acordo com o Ministério Público Federal do Paraná (MPF-PR), algumas empresas integrantes do consórcio – formado pelas empreiteiras OAS, Carioca Engenharia, Construbase Engenharia, Schahin Engenharia e Construcap CCPS Engenharia – participaram de um grande cartel para fixar preços e fraudar a licitação da reforma do centro de pesquisa da Petrobras.

PUBLICIDADE

O advogado negou que Capobianco tenha relação com o esquema investigado.  “Não sei de onde tiraram isso. Vamos procurar saber para poder refutar na medida certa. Mas ele não tem nenhuma relação com o esquema”.

O empresário foi detido em casa, em São Paulo, onde foi cumprido também mandado de busca e apreensão. A PF esteve ainda na empresa de Capobianco.

Segundo o advogado, Capobianco seguirá ainda hoje da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo para Curitiba.