Diz Folha

Diretor demitido da Petrobras quer dar sua versão sobre polêmica compra de Pasadena

Segundo Folha, Cerveró sinalizou a interlocutores que está disposto a dar sua versão sobre o polêmico negócio de R$ 1,18 bilhão, investigado pelo TCU, Polícia Federal e Ministério Público

SÃO PAULO – O ex-diretor da Petrobras (PETR3; PETR4), Nestor Cerveró, negocia com a oposição sua ida ao Congresso Nacional para depor sobre a compra da refinaria de Pasadena, no Estado americano do Texas, em 2006, pela empresa, informou a Folha de S. Paulo

Segundo o jornal apurou com deputados, Cerveró sinalizou a interlocutores que está disposto a dar sua versão sobre o polêmico negócio de US$ 1,18 bilhão, investigado pelo TCU (Tribunal de Contas da União), Polícia Federal e Ministério Público por suspeita de ter causado prejuízo aos cofres da Petrobras.

Cerveró é considerado um dos grandes culpados pela operação prejudicial à empresa, uma vez que, na época, era diretor internacional da Petrobras. Na última sexta-feira, a Petrobras informou ao mercado que o conselho de administração de sua subsidiária do segmento de distribuição de combustíveis no Brasil aprovou a destituição de Cerveró, que estava no cargo de diretor financeiro da companhia. Sua demissão já era esperada pelo mercado, até como uma forma de ofuscar a participação da presidente Dilma Rousseff no escândalo. 

PUBLICIDADE

Conforme revelou o Estadão na quarta-feira, a presidente Dilma Rousseff aprovou, na época, a compra de 50% da refinaria por US$ 360 milhões – sua sócia belga, no entanto, havia comprado todo o empreendimento por menos de um oitavo do valor. Depois disso, a petrolífera entrou na Justiça americana e acabou condenada a pagar US$ 820,5 à sócia europeia pelos 50% restantes da refinaria.