Situação complexa

Dilma não terá mais blindagem de Graça para limpar a cena do crime na Petrobras, diz Aécio

Segundo o senador mineiro, Dilma tratou Graça "pior que inimigo" e ressaltou: a vida dele, na oposição, está melhor do que da presidente da República, que enfrentou vaias e manifestações pró-impeachment

SÃO PAULO – Ao falar sobre os rumores da saída da presidente da Petrobras (PETR3;PETR4), o senador Aécio Neves (PSDB-MG) disse que a sua vida está muito melhor que a da presidente Dilma Rousseff, que já foi vaiada em sua primeira ida às ruas, em Campo Grande, ao enfrentar vaias e manifestações pró-impeachment. 

Aécio disse que, sem Graça, a presidente da República perde a blindagem na crise da Petrobras e não poderá mais contar com a amiga para “limpar a cena do crime”.

A vida da presidente Dilma hoje é muito mais difícil que a de seu adversário. Apesar de ter tido a maioria dos votos na urna, é um governo derrotado. É um governo que está sendo derrotado por sua base e facilitando a vida da Oposição. Mas fico triste de ver nessa crise gravíssima um governo tão desqualificado, incapaz de ousar e tomas as medidas necessárias, que quer resolver tudo distribuindo cargos em troca de apoio. Só lamento que o Brasil não tenha iniciado um novo ciclo”. 

PUBLICIDADE

Dilma fez uma grande maldade com Graça, mantendo a amiga no cargo para ser blindada. Isso é uma coisa que não se faz nem com inimigo. Graça foi conivente, mas os desmandos começaram quando Dilma era do Conselho da Petrobras, no governo Lula. Assumiu sozinha uma responsabilidade que não é dela. Aceitou limpar a cena do crime, protagonizando um dos episódios mais tristes da História brasileira”, completou.

E afirmou que, além da oposição formal, a presidente Dilma enfrenta uma grave oposição de sua base. “Quando eu falava lá atrás do descontrole das contas eu era acusado de pessimista. Ela poderia ter tomado lá atrás as medidas que está tomando agora com um custo menos doloroso para a população, mas só pensou em ganhar a eleição. Agora vai ter que encarar seu eleitorado”, afirmou.