Diz O Globo

Dilma e Temer entram em disputa pelo voto de 15 senadores na batalha do impeachment

Cada um tem as suas armas: petistas oferecem a proposta de novas eleições, enquanto Temer vem anotando dezenas de pedidos de cargos - mas vem demonstrando irritação com isso, diz O Globo

SÃO PAULO – Em meio a rumores de que senadores poderiam mudar o voto em meio às primeiras crises políticas do governo interino, o presidente em exercício Michel Temer e a presidente afastada Dilma Rousseff disputam o voto de quinze senadores, que ainda analisam se votarão contra ou a favor do impeachment, segundo informações do jornal O GloboCada um tem as suas armas: o núcleo de Dilma, diz o jornal citando petistas com acesso às discussões no Alvorada, passou a abordar esses parlamentares na expectativa de que ao menos cinco votos sejam revertidos propondo plebiscito para realizar novas eleições. Numa contraofensiva de Temer, vários desses parlamentares já estiveram com ele no Planalto. O governo interino vem anotando dezenas de pedidos de cargos. 

O Globo destaca que um dos mais “famintos” é o senador Hélio José (PMDB-DF), conhecido como Hélio Gambiarra, que pediu a Temer 34 cargos, entre eles as presidências do BB DTVM, dos Correios, do FNDE e de Itaipu. Ele também quer ser o líder do governo no Congresso e relatar as medidas provisórias sobre infraestrutura. Os pleitos de Hélio José causaram irritação no Planalto. 

Reunidos com Temer nas últimas semanas, estiveram os senadores Romário (PSB-RJ), Cristovam Buarque (PPS-DF), Eduardo Amorim (PSDC-SE), Benedito de Lira (PP-AL), Acir Gurgacz (PDT-RO) e Jader Barbalho (PMDB-PA); Cristovam também esteve com Dilma. No grupo dos 15 estão Fernando Collor (PTC-AL), Omar Aziz (PSD-AM), Pedro Chaves (PSC-MS), Roberto Rocha (PSB-MA), Vicentinho Alves (PR-TO), Wellington Fagundes (PR-MT), Wilder Moraes (PP-GO) e Marcelo Crivella (PRB-RJ). Este último se licenciará para disputar a prefeitura do Rio, mas controla o voto do suplente, Eduardo Lopes (PRB).

PUBLICIDADE

Segundo o jornal, algumas posições têm ficado mais claras, com os petistas já desistindo de Romário, enquanto Eduardo Amorim, Vicentinho e Wilder Moraes passaram a declarar voto pró-saída de Dilma. De acordo com levantamento do jornal, 37 se declaram a favor do impeachment, 26 estão indecisos ou não responderam e 18 são contra. São necessários 54 votos (dois terços do Senado) para a deposição de Dilma.