LIGA DE FIIs IFIX x Ibovespa: os fundos imobiliários são menos voláteis que ações nas crises? Entenda

IFIX x Ibovespa: os fundos imobiliários são menos voláteis que ações nas crises? Entenda

Governo pressionado

CPI da Pandemia tem nova investida contra “gabinete paralelo” após divulgação de vídeos

Integrantes do chamado G7 pretendem votar requerimentos para convocação de Osmar Terra, Paolo Zanotto e Luciano Dias Azevedo

Reunião do presidente Jair Bolsonaro com médicos defensores do chamado “tratamento precoce” com medicamentos contra a Covid-19, no Palácio do Planalto. O encontro foi organizado pelo deputado e ex-ministro Osmar Terra (Foto: Marcos Corrêa/PR)

SÃO PAULO – As apurações envolvendo a existência de um “gabinete paralelo” de aconselhamento extraoficial ao presidente Jair Bolsonaro (sem partido) durante a pandemia do novo coronavírus devem ganhar uma nova investida na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado Federal.

O termo tornou-se conhecido há cerca de um mês, a partir do depoimento do ex-ministro Luiz Henrique Mandetta, demitido do Ministério da Saúde em meio a divergências com o mandatário, sobretudo em relação ao uso de medicamentos sem eficácia comprovada no tratamento de pacientes que contraíram a Covid-19.

A versão foi corroborada por depoimentos de outras testemunhas ouvidas pelo colegiado e por novos materiais que chegaram ao conhecimento dos senadores, passando a atrair a atenção dos integrantes do chamado G7 ‒ grupo majoritário da comissão, formado por parlamentares de oposição e independentes ao atual governo.

Há relatos da participação dos filhos de Bolsonaro em reuniões estratégicas para o combate à pandemia, além de contatos frequentes de médicos defensores do uso de medicamentos como cloroquina, hidroxicloroquina, azitromicina e ivermectina com o núcleo próximo do presidente.

Um dos episódios narrados tanto por Mandetta quanto pelo diretor-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antonio Barra Torres, foi o de uma suposta tentativa de alterar a bula da cloroquina por decreto. Os dois falaram sobre a existência de uma minuta que tratava de tal modificação. A médica Nise Yamaguchi, porém, negou a articulação.

O chamado “gabinete paralelo” voltou aos holofotes na semana passada, com o ressurgimento de vídeo de reunião realizada no Palácio do Planalto em setembro de 2020 e transmitida nas próprias redes sociais de Bolsonaro, a partir de reportagem do site Metrópoles.

O encontro foi organizado pelo deputado e ex-ministro Osmar Terra (MDB-RS) e não contou com a presença do general Eduardo Pazuello, à época ministro da Saúde.

A gravação mostra que o presidente recebeu de médicos defensores do uso da cloroquina no tratamento contra a Covid-19 a sugestão de criar um “gabinete das sombras” para participar das discussões envolvendo o enfrentamento à pandemia.

A indicação foi verbalizada pelo virologista Paolo Zanotto, que chegou a colocar em dúvida a eficácia e a necessidade de imunizantes contra a doença. “É como se fosse um ‘shadow cabinet’ (gabinete das sombras, em tradução literal), esses indivíduos não precisam ser expostos, digamos assim, à popularidade”, disse no vídeo.

PUBLICIDADE

Na avaliação da cúpula da CPI da Pandemia, trata-se de mais uma prova da existência de aconselho alternativo sobre saúde no Palácio do Planalto ‒ e que muitas vezes ia de encontro com o que era recomendado pelo próprio Ministério da Saúde.

“Vídeo da reunião comandada por Bolsonaro para consagrar a cloroquina e demonizar a vacina levará a aterradora constatação. Talvez não mintam quando dizem não haver gabinete paralelo, mas sim ministério da saúde paralelo, que rejeitava a ciência, enquanto reinava o negacionismo”, afirmou o senador Renan Calheiros (MDB-AL), relator da comissão.

O vice-presidente do colegiado, senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse que a gravação é “a prova definitiva da existência do Gabinete Paralelo que a CPI já investigava”. O parlamentar é autor de requerimentos de convocação de Osmar Terra e Paolo Zanotto.

Visão similar tem o presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM). “Ele (Bolsonaro) sabe que o que estamos fazendo é mostrar fatos. E o fato de ter levantado que tinha um gabinete paralelo falando sobre saúde foi a CPI que levantou isso. Está aí. Quer prova maior do que essa reunião? Não tem”, disse em entrevista ao jornal O Globo.

Na última quinta-feira (3), reportagem do jornal Folha de S.Paulo também lançou luz sobre lives de aliados de Bolsonaro que detalhavam a atuação do “gabinete paralelo”. Apontado como idealizador do grupo, o ex-assessor da Presidência Arthur Weintraub estimou em cerca de 300 o número de pessoas aconselhando o mandatário quanto ao uso da hidroxicloroquina.

Em ao menos duas lives, Weintraub e o anestesista Luciano Dias Azevedo, um dos médicos mais influentes entre os defensores do chamado “tratamento precoce” contra a Covid-19, expõem detalhes da concepção e funcionamento da estrutura de aconselhamento paralelo.

Integrantes da CPI da Pandemia decidiram analisar, nesta semana, os pedidos de convocação de integrantes do suposto “gabinete paralelo” ‒ apelidado pelo relator de “Ministério da Doença”.

Entre os nomes que podem ser chamados estão Osmar Terra, alvo de requerimentos de autoria dos senadores Alessandro Vieira (Cidadania-SE), Rogério Carvalho (PT-SE) e Randolfe Rodrigues. Paolo Zanotto também é algo de pedidos de Randolfe e do governista Luis Carlos Heinze (PP-RS), assim como Luciano Dias Azevedo, em requerimento assinado por Humberto Costa (PT-PE).

PUBLICIDADE

Duas semanas atrás, os membros da comissão também aprovaram requerimento para a convocação de Arthur Weintraub, que atualmente mora nos Estados Unidos como indicado pelo governo a um cargo na Organização dos Estados Americanos (OEA). Calheiros disse que a CPI pode mandar um representante ao país para ouvir o ex-assessor de Bolsonaro caso ele coloque empecilhos para vir ao Brasil depor.

Além dos depoimentos, a CPI da Pandemia pode quebrar os sigilos telefônico e telemático de dois supostos integrantes do “gabinete paralelo”: o empresário Carlos Wizard e o vereador Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), filho do presidente da República. Os requerimentos são do senador Alessandro Vieira.

De acordo com o parlamentar, Wizard deve ser ouvido para esclarecer a suspeita de que seria um dos financiadores do “ministério paralelo da saúde”. O parlamentar quer apurar ainda se “houve acréscimo no patrimônio” de Carlos Bolsonaro, que — segundo Alessandro Vieira — foi “chamado a participar e opinar em decisões que devem ser tomadas pelo governo federal”.

Outros depoimentos

A CPI da Pandemia tem 24 requerimentos na pauta. Além dos integrantes do “gabinete paralelo”, os parlamentares podem votar a convocação de outras seis testemunhas. O senador Luis Carlos Heinze (PP-RS) sugere que o médico Antonio Jordão de Oliveira Neto seja ouvido no mesmo dia de Paolo Zanotto. Neto integra a Associação Médicos pela Vida, que em fevereiro pagou pela publicação de um anúncio pró-cloroquina em jornais de grande circulação.

A comissão pode votar ainda a convocação da médica Ludhmila Abrahão Hajjar, cotada para assumir o Ministério da Saúde após a demissão do general Eduardo Pazuello. O nome dela acabou sendo rejeitado pelo Palácio do Planalto, e o cardiologista Marcelo Queiroga assumiu o cargo. O senador Alessandro Vieira quer saber se o convite do presidente Jair Bolsonaro a Ludhmila Hajjar “pressupunha obediência a diretrizes” como “medidas e drogas contrárias ao consenso científico”.

O relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), sugere a convocação de Felipe Cruz Pedri, secretário de Comunicação Institucional da Presidência da República. Segundo Calheiros, o órgão “tem, ou deveria ter, papel central nas ações de conscientização e informação da população”.

O senador Humberto Costa (PT-PE) apresentou um requerimento para ouvir Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional. Ela deve apresentar dados do estudo “Mortes Evitáveis de Covid-19 no Brasil”. O senador Alessandro Vieira sugere ainda a convocação do desenvolvedor ou do técnico responsável pelo aplicativo TrateCov. Lançada pelo Ministério da Saúde em janeiro deste ano, a plataforma sugeria a prescrição de drogas como a cloroquina.

PUBLICIDADE

O último requerimento de convocação é para o presidente afastado da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo. O senador Randolfe Rodrigues quer ouvi-lo sobre a realização da Copa América, marcada para começar no dia 13 de junho. “O evento será sediado no Brasil, país que tem mais de 460 mil óbitos por covid-19, ocupa o segundo lugar do mundo em número de mortes e está na iminência de uma terceira onda da doença”, critica Randolfe.

Outras quebras de sigilo

Além do empresário Carlos Wizard e do vereador Carlos Bolsonaro, a CPI da Pandemia deve votar outros seis requerimentos para a quebra de sigilos. Entre os alvos estão ex-ministros Eduardo Pazuelo (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores).

Todos os pedidos de quebra de sigilo são apresentados pelo senador Alessandro Vieira. Ele afirma que houve “uma lamentável negligência do ex-chanceler (Ernesto Araújo) para conseguir vacinas e insumos para o Brasil”. Ainda de acordo com o parlamentar, sem os dados de Eduardo Pazuello, seria “praticamente impossível à CPI alcançar a verdade dos fatos”.

A comissão pode votar ainda a quebra dos sigilos de outros quatro auxiliares do Palácio do Planalto:

  • Filipe Martins, assessor internacional da Presidência da República;
  • Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação do Ministério da Saúde;
  • Fábio Wajngarten, ex-secretário de Comunicação da Presidência da República; e
  • Marcos Eraldo Arnoud, conhecido como “Markinhos Show”, ex-marqueteiro de Eduardo Pazuello.

Pedidos de informações

A CPI da Pandemia também pode votar seis pedidos de informação — cinco deles apresentados pelo presidente da comissão, senador Omar Aziz (PSD-AM). No primeiro requerimento, o parlamentar quer acesso a dados sobre testagens da população para o diagnóstico da covid-19.

Em outros quatro pedidos, Aziz busca esclarecer pontos do depoimento da oncologista Nise Yamaguchi, que falou à CPI em 1º de junho. O presidente pede ao Ministério da Saúde informações sobre eventuais contratos ou repasses de recursos para pessoas jurídicas que tenham a médica como sócia. O senador requer ainda que as companhias aéreas Latam, Gol e Azul informem os registros de voo realizados com destino a Brasília por Nise Yamaguchi e dois irmãos dela, Greici Yamaguchi e Charles Takahito.

A comissão também pode votar um requerimento do senador Randolfe Rodrigues, que sugere uma perícia da Polícia Federal no aplicativo TrateCov. Ele quer investigar declarações do ex-ministro Eduardo Pazuello e da secretária Mayra Pinheiro, segundo as quais a plataforma teria sido alvo de hackeamento e extração indevida de dados.

(com Agência Senado)

Receba o Barômetro do Poder e tenha acesso exclusivo às expectativas dos principais analistas de risco político do país
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.