Brasil cai oito posições em ranking de países com menor percepção sobre a corrupção

Indicador realizado por ONG detecta uma "ligação fatal entre pobreza, instituições falidas e corrupção" no mundo em geral

SÃO PAULO – A ONG (organização não-governamental) Transparência Internacional divulgou nesta terça-feira (23) o seu Índice de Percepção de Corrupção. Em relação ao ano anterior, o indicador, que mede o nível de percepção dos brasileiros quanto à corrupção no Brasil, manteve-se estável em 3,5.

No entanto, o país recuou oito posições entre aqueles que possuem menor percepção, ocupando agora a 80ª posição no ranking mundial. Com isso, o Brasil ficou atrás de países como Butão e Gana, empatando com outros como Burkina Faso e Marrocos.

A classificação, no entanto, põe o Brasil à frente de seus vizinhos sul-americanos como Argentina, Paraguai e Venezuela.

Correlação

PUBLICIDADE

A ONG detectou uma nítida ligação entre pobreza, instituições falidas e corrupção, explicando a presença de países como Haiti, Iraque e Somália na parte inferior do ranking. Segundo a entidade, o aumento da corrupção leva a um “contínuo desinteresse humanitário”.

“Nos países pobres, os níveis de corrupção podem ser a linha divisória entre a vida e a morte, quando o dinheiro para hospitais ou água potável está em questão”, afirmou o presidente da Transparência Internacional, Huguette Labelle.

Metodologia

O indicador conta com 180 países e considera o índice 10 como ausência de percepção de corrupção e o 0 como percepção total de corrupção. Ele é calculado pela própria entidade e tem como base diversas pesquisas do setor privado.