Bolsonaro diz que pedirá processo contra Moraes e Barroso no Senado

Em sua conta no Twitter, presidente disse que os ministros "extrapolam com atos os limites constitucionais"

Equipe InfoMoney

Publicidade

SÃO PAULO – Em sua conta oficial no Twitter, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou neste sábado (14) que levará ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM), um pedido para que instaure um processo contra os ministros Alexandre de Moraes e Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF). Barroso também é presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Após afirmar que “todos sabem das consequências, internas e externas, de uma ruptura institucional, o presidente disse que os ministros “extrapolam com atos os limites constitucionais”.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL), filho do presidente, afirmou em seu Twitter que o processo mencionado pelo pai será um pedido de impeachment de Barroso e Moraes, tendo como base “contínuas violações de liberdades, como a de expressão”.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Bolsonaro disse ainda que “o povo brasileiro não aceitará passivamente que direitos e garantias fundamentais (art. 5° da CF), como o da liberdade de expressão, continuem a ser violados e punidos com prisões arbitrárias, justamente por quem deveria defendê-los”.

Embates

Os embates entre o presidente e os ministros têm sido constantes.

Nesta sexta-feira (13), o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson (RJ), aliado de Bolsonaro, foi preso preventivamente pela Polícia Federal. A ação ocorreu em cumprimento de decisão de Moraes, no âmbito do chamado inquérito da milícia digital – continuidade das investigações sobre atos antidemocráticos realizados em 2020. Jefferson tentava levar o presidente para disputar a reeleição por sua legenda em 2022.

Continua depois da publicidade

Além disso, Moraes aceitou, nesta semana, a notícia-crime enviada pela Justiça Eleitoral para apurar o suposto vazamento de informações sigilosas sobre a investigação da Polícia Federal (PF) sobre um ataque de hackers ao sistema de informática do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2018. Na época, o TSE declarou que o ataque não comprometeu a segurança da votação.

O pedido de investigação foi feito na segunda-feira (9) pelo TSE para apurar a suposta conduta de divulgação indevida de informações sigilosas reservadas. No documento, os ministros citaram Bolsonaro, o deputado federal Filipe Barros (PSL-PR) e o delegado responsável pelo caso, Victor Neves Feitosa Campo. Segundo o TSE, no dia 4 de agosto, as peças sigilosas foram divulgadas nas redes sociais.

(Com informações da Agência Brasil)

Newsletter

Infomorning

Receba no seu e-mail logo pela manhã as notícias que vão mexer com os mercados, com os seus investimentos e o seu bolso durante o dia

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.