BC está de mãos atadas para combater inflação até fim do QE2, dizem economistas

Commodities em alta devem alimentar inflação até o meio do ano, quando o fim de estímulos do Fed pode ajudar emergentes

SÃO PAULO – Bancos centrais de países emergentes parecem aceitar o fato que estarão de mão atadas na luta contra a inflação pelo menos até a metade do ano, quando, ao que tudo indica, chegará ao fim o QE2 (Quantitative Easing 2).

Por mais que países como o Brasil estejam elevando o juro básico e implantando medidas macroprudenciais, a valorização das commodities continua a alimentar a pressão inflacionária, avalia Jimena Zuniga, do Barclays Capital.

Dessa forma, o cenário incômodo deve persistir enquanto se mantiver o intenso fluxo de capitais em direção aos emergentes, impulsionado principalmente pelos US$ 600 bilhões que o Federal Reserve tem injetado desde outubro para estimular a recuperação norte-americana.

PUBLICIDADE

Sem novos estímulos nos EUA
“Esperamos, e todos os emergentes tem a mesma esperança, que o Fed altere sua política em breve uma vez que os objetivos de nível de atividade estão sendo alcançados. Essa é a aposta de todos os bancos centrais”, afirma André Perfeito, economista chefe da Gradual Investimentos.

Divulgada nesta manhã, a inflação em 5,4% na China exemplifica o cenário no qual apesar das medidas recorrentes a pressão inflacionária persiste. “Não preciso nem dizer como isto nos é familiar”, comenta Perfeito, que atribuí principalmente ao etanol e ao açúcar o comportamento de preços de alimentos e energia no Brasil.

Apreciação cambial
Frente à exposição à valorização das commodities, o Barclays avalia que a valorização do real é uma consequência natural deste cenário, uma vez que o fluxo de capital que promove o fortalecimento da moeda tem a mesma origem daquele que provoca a inflação nos emergentes, o QE2.

“Os BCs dos BRICS estão lidando com escolhas difíceis, mas nos parece que optarão pela manutenção do câmbio e aceitarão mais inflação na esperança (mais uma vez me repito) de que a normalidade volte no segundo semestre e início de 2011”, finaliza Perfeito.