Viés econômico

Barbosa critica ideias ultraliberais e ressalta a importância das políticas sociais

"Não sou favorável a posições ultraliberais em um país social e estruturalmente tão frágil e desequilibrado como o Brasil, com desigualdades profundas e historicamente enraizadas", assim afirmou o ex-ministro ao Estadão

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – Ganhando cada vez mais espaço na corrida pela Presidência como mostrou o último Datafolha, Joaquim Barbosa, que no começo do mês filou-se ao PSB (Partido Socialista Brasileiro), aos poucos vai revelando seu perfil econômico e pelas últimas entrevistas sua posição pode ser resumida como uma mescla de ideias de cunho liberal, mas sem esquecer das pautas sociais.

“Não sou favorável a posições ultraliberais em um país social e estruturalmente tão frágil e desequilibrado como o Brasil, com desigualdades profundas e historicamente enraizadas”, assim afirmou o ex-ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) em entrevista ao Estadão nesta quinta-feira (26). Segundo ele, não é possível ignorar os aspectos sociais do Brasil e meramente aplicar políticas puramente liberais, já que “elas não são solução para a grande miserabilidade que é a nossa marca de origem e que nós, aparentemente, insistimos em ignorar”.

Na semana passada, políticos que estiveram com Barbosa relataram que o ex-ministro se posicionou claramente a favor da venda de estatais para a iniciativa privada, mas com cuidado para não tocar as “joias da coroa”, como no caso da Petrobras. Sobre temas polêmicos como a reforma da previdência, Barbosa reconheceu a necessidade de mudança nas aposentadorias, mas com regras mais moderadas do que as propostas por Michel Temer.

PUBLICIDADE

Do lado social, pessoas próximas de Barbosa que fazem parte do PSB apontaram que o provável candidato à Presidência defende programas de acesso a universidades e de transferências de renda, mas fez muitas críticas sobre as políticas de subsídio, qual qualificou como “puro patrimonialismo”.