Imprensa internacional

Após meses de euforia, FT questiona: o rali brasileiro está dando sinais de cansaço?

O ânimo com os ativos brasileiros é grande, mas o País enfrenta grandes desafios

Aprenda a investir na bolsa

SÃO PAULO –  As autoridades brasileiras devem ter sentido alívio após o fim da Olimpíada do Rio de Janeiro, ressalta o Financial Times, uma vez que tudo correu bem mesmo em meio às expectativas da imprensa internacional de que os Jogos seriam uma “catástrofe”.

Porém, ressalta o jornal, em nítido contraste com a angústia pré-Jogos, os investidores internacionais já estavam bem menos pessimistas sobre o Brasil este ano, “passando a despejar lentamente bilhões de dólares nos ativos locais em um dos maiores votos de confiança no futuro do País nos últimos anos”. O FT cita que um dos motivos para isso é a provável saída definitiva de Dilma Rousseff da presidência, abrindo caminho para reformas econômicas que podem restaurar a economia nacional para o crescimento. Enquanto isso, a Selic está em 14,25%, o que atrai investidores para o País.

O ânimo é grande; porém, o FT cita uma frase do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que ressalta em suas memórias que a esperança seguida de desapontamento é algo particular do ciclo brasileiro. Assim, a publicação questiona: “o rali brasileiro está ficando cansado”?

Aprenda a investir na bolsa

Alguns analistas consultados pelo jornal britânico ressaltam que o Brasil ainda é atrativo. Contudo, conforme ressalta Kit Juckes, estrategista do Société Générale, é pouco provável que os próximos seis meses sejam tão positivos como os últimos meses. 

Os fundos de ações brasileiros atraíram US$ 356 milhões neste ano, de acordo com o EPFR, o que corresponde a um quinto do fluxo para os emergentes, o que ajuda a explicar a alta do Ibovespa por dez semanas seguidas, com ganhos de 36% do índice em real e de 67% em dólar. Enquanto isso, o rendimento dos títulos emitidos no exterior registraram queda; o bond com vencimento em 2025 passou de uma taxa de 7% no final de 2015 para abaixo de 4%. A BlackRock, contudo, ressalta que ainda dá para “fazer dinheiro”, mas o setor deve ser apenas para aqueles que toleram volatilidade, uma vez que o Federal Reserve pode balançar o merado. 

Desta forma, alguns gestores de grandes hedge funds acreditam que o rali de ações brasileiras ainda continua. No entanto, outros alertam que o rali está ficando para trás, com os mercados de olho nas ações do governo Michel Temer para conter a alta da dívida pública em um ambiente desafiador, que conta com eleições municipais em outubro e uma luta interna entre PMDB e PSDB já de olho nas eleições presidenciais de 2018.

“No entanto, a previsão de movimentos do mercado com base em resultados políticos tornou-se extremamente difícil no Brasil, assim como prever o desempenho da equipe de futebol do país nos Jogos Olímpicos. Depois de empatarcom o Iraque, muitos acreditavam que o Brasil não tinha nenhuma chance, mas o time surpreendeu o mundo no sábado, conquistando a sua primeira medalha de ouro na história da Olimpíada”, ressalta o FT.