Ajuda aos bancos dos EUA não deve incluir criação do Bad Bank, diz CNBC

Anúncio de Geithner tende a encorajar a iniciativa privada a assumir os ativos podres; afinal, foi ela quem 'criou esta situação'

arrow_forwardMais sobre

SÃO PAULO – A espera por detalhes a respeito do plano de ajuda aos bancos norte-americanos foi a pauta desta segunda-feira (9). O pronunciamento de Timothy Geithner foi adiado, mas as especulações não param. Boa parte da expectativa vai para a solução da equipe de Obama para os ativos podres em posse dos bancos. Segundo informações da CNBC nesta noite, o plano não inclui a criação do “Bad Bank”.

O lançamento de uma instituição pública para assumir estes ativos era apontado pelo mercado como uma das idéias mais plausíveis para o momento. Depois do insucesso do TARP (Troubled Asset Relief Program), que prometia aliviar a carteira dos bancos, muitos analistas manifestaram apoio
à possibilidade.

Idéia elogiada

Entre os argumentos, a máxima de que lado ruim acaba prevalecendo foi constantemente citada. Com o foco do TARP alterado, cresceram os rumores de que não era viável para a iniciativa privada assumir estes ativos. Em caso de aquisições, a parte mais deteriorada acaba contaminando a mais estável.

PUBLICIDADE

O que fazer com estes ativos podres parece mesmo o maior impasse para as autoridades. Apesar deste viés negativo citado, fontes ligadas ao caso revelaram à CNBC que o destino deve ser mesmo a iniciativa privada. O plano de resgate ao setor financeiro virá cheio de incentivos para instituições privadas adquirirem estes títulos.

Fica com a iniciativa privada

“Nós queremos que o setor privado assuma a responsabilidade por uma situação que foi criada pelo setor privado”, resumiu Larry Summers, conselheiro econômico de Obama, em entrevista à CNN.

Fica no valor do Tarp

Aos que esperavam novos aportes e mais injeção de capital, as informações desta noite dão conta que o pacote dos bancos não deve exceder os US$ 350 bilhões remanescentes do TARP. Aumenta a apreensão com o pronunciamento de Geithner, agora marcado para o início da tarde da próxima terça-feira.