Notícias Corporativas

OFERECIDO POR
Arte e Entretenimento

Tendências musicais: o que move esse mercado?

Com ritmos e eventos para todos os gostos, o mercado da música sempre se renova e traz novidades

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

O mercado da música se faz presente no Brasil de diferentes maneiras. De rodas de samba a grandes festivais, existem opções para todos os gostos e bolsos. É por isso que eventos de diferentes tamanhos somam-se e deixam o Brasil em 2º lugar no ranking do mercado de shows na América Latina, ficando atrás do México, apenas, segundo dados fornecidos pelo Ministério do Turismo.

Para ter ideia do tamanho deste segmento, há cinco anos a expectativa era que, ao chegar em 2018, o mercado de grandes eventos musicais tivesse crescido 39%, alcançado o faturamento de R$ 496 milhões por ano – tudo isso apenas com ingressos, de acordo com o especialista Gardênia Rogatto, da consultoria PwC Brasil.

Embora os eventos por si só já sustentem boa parte do mercado da música, existem outros nichos atrelados que fazem com que a movimentação seja ainda maior, entre eles estão: viagens, deslocamentos e turismo. Para Max Pianura, cantor e compositor, a música tem o poder de unir as pessoas. Além disso, traz um retorno satisfatório, fazendo com que todo o trâmite de ir e vir não seja sentido. “Quando falamos de música, estamos falando de uma paixão. É por isso que existe toda essa mobilização. As pessoas investem nesses momentos porque sentem-se felizes em participar”, aponta o músico.

PUBLICIDADE

Novidades musicais

Diante de tantos espectadores envolvidos, o mundo da música não para de inovar. Por conta disso, é cada vez mais comum dar de cara com novas tendências e maneiras de interação.

Para Max, a maior e mais impactante tendência é a união da música com a Inteligência Artificial. “Conseguimos conhecer artistas e ritmos diferentes graças aos algoritmos. Tudo isso sem causar estranhamento, pois recebemos músicas com proximidade do que já estamos acostumados a ouvir”, diz o cantor.

Depois da tecnologia, Max aponta a tendência que reforça cantores do cenário brasileiro como sua favorita. “ Vivemos um movimento intenso de valorização do que é feito no Brasil. Nossos músicos estão sendo acompanhados e reconhecidos”, finaliza.

Música na veia

Max Pianura decidiu cedo que seguiria pela carreira musical e leva sua paixão muito além de suas apresentações. Em 2002, abriu uma escola de música em Santo André, onde se tornou referência. Lá, deu aula para grandes músicos, como Péricles e Marcinho.

PUBLICIDADE

Hoje, Max segue carreira solo e investe em novos projetos. O trabalho do cantor é feito de maneira totalmente independente: desde a produção até a divulgação e produção de eventos. Saiba mais: www.maxpianura.com

Website: http://www.maxpianura.com