Notícias Corporativas

OFERECIDO POR
Tecnologia

Startups brasileiras avançam rumo ao reconhecimento internacional e país segue apostando em eventos com players de mercado

Após ter feito história em 2018 com seu primeiro unicórnio, Brasil prepara mais um ambiente onde inovação e expertise se encontram - o “Breaking the Walls”

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Não é só de inovação que vive uma startup, entretanto, não há startup sem que haja capacidade de inovar. Se por um lado a criatividade munida de técnica é matéria-prima para estas jovens empresas, por outro também se faz chamariz para grandes players que procuram, justamente, aqueles capazes de apresentar novas soluções para os mais diversos mercados. Um exemplo – que também se tornou fato histórico – foi o caso da startup 99.

A empresa brasileira se tornou o primeiro unicórnio do país após ter sido comprada pela DiDi, gigante chinesa no ramo de aplicativos de transporte, por US$ 960 milhões e avaliada em US$ 1 bilhão. A confirmação da compra ocorreu no primeiro semestre de 2018 e abriu caminho para outros nomes de destaque no universo das startups – entre eles o Nubank, iFood e Movile. Este marco revela não apenas a qualidade dos serviços oferecidos por startups brasileiras, mas também o interesse de empresas nacionais e estrangeiras nas soluções que surgem de tempos em tempos. Conectar estas duas realidades – a de quem cria e a de quem busca investir em inovação – é indispensável. Por este motivo, eventos como o “Breaking the Wall” desempenham papel fundamental para o crescimento deste nicho de mercado.

Marcado para hoje, 20 de fevereiro, o encontro é organizado pela StartSe e realizado na sede da empresa – cujo foco é empreendedorismo e inovação. A ideia é reunir startups de Marketing e vendas a players mais maduros de mercado para que possam não apenas conhecer uns aos outros, como também suas estratégias no intuito de gerar parcerias.

PUBLICIDADE

“O principal objetivo do ‘Breaking the Wall’ é gerar produtividade para áreas estratégicas de empresas estabelecidas, através da conexão com startups”, explica Pedro Lobel, Executivo de Corporate da Startse. Em sua visão, é necessário se atentar para questões do tipo “Como essas áreas podem ser mais assertivas, mais ágeis ou mais econômicas?”, pontua.

Ciclos de inovação e rodadas de pitch

O “Breaking The Wall” aborda setores como “Recursos Humanos & Jurídico”, “Marketing & Vendas”, “Financeiro & PMO” e “TI & Compras” durante rodadas mensais. Para além destes nichos, outras expertises também são bem-vindas como, por exemplo, Comunicação e Newswire.

“Nós, das startups, precisamos de rodadas que facilitem a chegada das nossas soluções para empresas consolidadas com milhares de funcionários”, explica Felipe Pestana, Diretor e Sócio do DINO – Divulgador de Notícias, que complementa ao ressaltar que “por outro lado, elas [as empresas consolidadas] precisam de soluções como as nossas para manter a vantagem competitiva”. Com foco em publicação de conteúdos noticiosos nos principais portais e agências de jornalismo do país, a startup também integrará o evento e Pestana reconhece a importância desta participação. “Eu fico feliz por participar de mais um Breaking the Walls porque acho uma oportunidade única de mostrar às empresas o que é um serviço de newswire como o do DINO”, conclui.

Também estão presentes nomes de destaque no mercado brasileiro, entre eles OAS, Heineken, Ricardo Eletro, I9 empreendimentos e Hospital Israelita Albert Einstein. Durante o Breaking the Walls são feitas rodadas de pitch para que as startups apresentem suas soluções às empresas convidadas com o objetivo de se tornarem fornecedoras de serviço.

Mais informações: lobel@startse.com.

PUBLICIDADE

Website: https://www.startse.com