Oftalmologista explica cirurgia de correção de estrabismo feita pelo Youtuber PC Siqueira

Rubens Belfort Neto conta que a operação costuma ter resultados excelentes e tira dúvidas sobre a doença

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

O youtuber PC Siqueira revelou na última semana o resultado da cirurgia a qual foi submetido para corrigir o estrabismo . O vídeo já foi assistido mais de 2 milhões de vezes no canal dele no Youtube, gerando enorme repercussão nas redes sociais e suscitando muitas dúvidas entre as pessoas que o acompanham na rede social.

Para se ter uma ideia, as visitas ao site da Clínica Belfort, responsável pela realização da cirurgia, dispararam no dia em que o vídeo foi ao ar. O número de acessos ao site aumentou mais de 10 vezes no dia em que o youtuber subiu o vídeo no site.

A cirurgia do PC Siqueira foi realizada pela oftalmologista Claudia Faria, da Clínica Belfort. Ela especialistas em estrabismo, tendo realizado Fellow em Oftalmologia Pediátrica e Estrabismo na Wright Foundation/Cedars Sinai Medical Center, em 2008, em Los Angeles, nos Estados Unidos. A instituição é liderada pelo Dr. Wright, um dos especialistas mais respeitados em estrabismo no mundo.

Continua depois da publicidade

O oftalmologista Rubens Belfort Neto, presidente da Sociedade Pan-Americana de Oncologia Ocular, conta que a excelência dos profissionais faz com que pacientes de toda a América Latina busquem a clínica para a realização da cirurgia de estrabismo. Na página da Clínica Belfort, você pode saber mais sobre a cirurgia de estrabismo . Abaixo Belfort Neto tira algumas dúvidas sobre estrabismo:

Não é apenas “olho torto”: Segundo o oftalmologista, o estrabismo não é apenas um problema de “olho torto”. Se não tratado em crianças, o estrabismo pode levar à baixa visão em um dos olhos, condição conhecida como ambliopia, que não tem cura no adulto.
A cirurgia é rápida: segundo o oftalmologista, a cirurgia de estrabismo não é uma intervenção muito demorada. O objetivo é mudar a posição dos músculos por fora do olho para deixar os olhos mais alinhados e diminuir o desvio. “O segredo está na preparação, quando o médico decide qual músculo deve ser operado e quantos milímetros devem ser ressecados. A pessoa opera e vai para casa no mesmo dia”.

Causas do estrabismo: Belfort Neto conta que o estrabismo pode ter diversas causas. A mais comum delas é a hipermetropia com grau maior do que 3 em crianças. Além disto, outras doenças que prejudicam a visão também podem causar o estrabismo, bem como doenças que afetam músculos ou nervos dos olhos. Em adultos, o estrabismo pode ter causa neurológica ou se desenvolve quando um olho perde a visão e o cérebro não tem a imagem para fazer o ajuste fino da posição dos olhos.

Estrábicos não têm visão em 3D: Belfort Neto explica que a pessoa com estrabismo não consegue ver em 3D porque a visão binocular (estereopsia) é comprometida. Isso infelizmente ainda não tem cura, mesmo que a cirurgia deixe os olhos alinhados o paciente não consegue aproveitar os filmes em 3D.

Pelo SUS pode: Rubens Belfort Neto explica que a cirurgia pode ser realizada pelo convênio ou de forma particular. O preço varia muito de acordo com o hospital e o profissional escolhido. A cirurgia é feita pelo SUS em muitos centros de excelência pelo Brasil, como a Escola Paulista de Medicina / Hospital São Paulo e na USP, mas infelizmente muitas vezes a fila de espera é longa
O que é estrabismo
O estrabismo consiste na perda de paralelismo entre os olhos. Indivíduos com estrabismo são popularmente chamados de vesgos. O estrabismo pode ocorrer de 3 formas:

Convergente: é a forma mais comum e também o caso do PC Siqueira, quando o desvio do olho ocorre para dentro
Divergente: quando o olho se desvia para fora
Verticais: quando o desvio acontece para cima ou para baixo

Pessoas com estrabismo têm dificuldade de conseguir emprego e encontrar parceiros

Os problemas decorrentes do estrabismo, porém, não se limitam à visão. A pessoa com estrabismo pode sofrer com o convívio social, gerando problemas psicológicos e econômicos. “Você acordar e dormir pelo menos umas 7 vezes por dia e alguém vai lá e tira uma onda de um defeito que está na sua cara é um negócio que tem um impacto psicológico que pode ser brutal na vida das pessoas”, disse PC Siqueira no vídeo.

Estudos da Universidade de Saint Gallen, na Suíça, comprovaram os impactos sociais e econômicos na vida de pessoas com estrabismo. De acordo com as pesquisas, o estrabismo tem um impacto negativo na capacidade do indivíduo de conseguir emprego e também na possibilidade de encontrar um parceiros. Durante a infância, crianças com estrabismo são menos convidadas para festas de aniversário. A conclusão é de que a cirurgia de estrabismo não pode ser considerada apenas um procedimento estético.

Tópicos relacionados