O que faz do Hack Town uma experiência essencial para profissionais e estudantes de Engenharia?

Evento reúne em 02, 03 e 04 de setembro no polo tecnológico de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais, palestrantes das principais empresas do mundo, em um modelo de imersão pouco comum na América Latina.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

No fim de semana de 02, 03 e 04 de setembro de 2016, o polo tecnológico de Santa Rita do Sapucaí, no sul de Minas Gerais, realiza seu grande acontecimento anual: o Hack Town (www.hacktown.com.br). O evento é uma mistura de tribos: tem gente do mundo das startups, da publicidade, da economia criativa, da indústria, do design, mas principalmente de engenharia. Afinal, Santa Rita do Sapucaí é onde fica o Instituto Nacional de Telecomunicações, o INATEL, uma das grandes referências mundiais em telecomunicações e inovação, além de sediar um dos polos tecnológicos mais consistentes do país, conhecido como Vale da Eletrônica.

Veja os 3 principais motivos que fazem do Hack Town uma experiência essencial para profissionais e estudantes de engenharia em busca de crescimento profissional:

1 – Qualidade do conteúdo

Continua depois da publicidade

Em 2016, estarão presentes no Hack Town profissionais de ponta como Jesper Rhode, CMO Latin America da gigante global Ericsson, Dario Dal Piaz, Head of Product Partnerships do Facebook, Thiago Delfino, Head de Consumer Insights do Google, entre vários outros nomes de peso em inovação e criatividade. Além dos consagrados, o evento, que terá mais de 100 atividades em um final de semana, também contará com talentos promissores, como a startup Das Coisas, incubada na cidade, e apresenta uma plataforma inovadora em IoT; Claudio Olmedo, criador da One Dollar Board, que pretende democratizar o movimento maker em países em desenvolvimento; e os criadores do portal Embarcados, uma das principais referências para desenvolvedores de hardware no Brasil.

Para João Rubens Costa, engenheiro formado pelo INATEL e um dos organizadores do Hack Town, o engenheiro atual necessita, além do aprofundamento técnico, de conhecimentos mais genéricos para compreender o contexto em que está situado e os problemas que demandam tecnologia como solução. No entanto, destaca, quem está no mercado ou ainda estudando, tem pouco tempo para isso. E o Hack Town, conclui, é uma forma expressa e intensa de se ligar em assuntos que vão de inovação social a games, passando por estudos ligados ao futuro da Internet, Capitalismo Consciente, marketing, e experiências em Smat Cities. Para a programação completa, é só acessar www.hacktown.com.br.

2- Uma experiência imersiva impossível em eventos tradicionais

As palestras, debates e workshops do Hack Town acontecem em locais geralmente inusitados, espalhados pelo centro da cidade, como bares e restaurantes – a maioria em distância curta para quem estiver a pé. Há inúmeras atividades oficiais e não oficiais que permitem um nível de conexão entre pessoas que é raro nas tradicionais conferências e seminários. O Hack Town é sistematizado para que tudo se mantenha descontraído e as pessoas troquem mais do que cartões de visitas. Afinal, afirma João Rubens, é nesse tipo de contexto que as oportunidades surgem – sejam para sua empresa, para sua carreira, para parcerias profissionais e até mesmo novas amizades. A expectativa é de que mais de 1.000 pessoas estejam presentes na edição 2016.

3 – Preço surpreendentemente baixo

O Hack Town visa democratizar este tipo de experiência, ainda raro na América Latina. Portanto, o investimento para ingressos comprados online pelo site www.hacktown.com.br é de apenas R$50,00. E dá acesso às atividades oficiais do evento, que incluem palestras, debates e workshops durante o primeiro fim de semana de setembro. Além disso, hospedagem e alimentação em Santa Rita do Sapucaí tem preços muito baixos em comparação às grandes capitais. Segundo Costa, um estudante de engenharia, viajando em modo econômico, pode tranquilamente almoçar por algo em torno de R$10,00, vir à cidade de ônibus de linha, e se hospedar em republicas locais através de sites como o Couchsurfing, por praticamente nada. No entanto, atenta, quem quiser participar do hack Town deve garantir logo a sua entrada, pois as vagas são limitadas.

Saiba mais sobre o Hack Town 2016 em www.hacktown.com.br.

Website: http://www.hacktown.com.br

Tópicos relacionados