Márcio Alaor comenta como a crescente inadimplência impacta na restrição ao crédito do brasileiro

Em meio à crise e aos altos índices de desempregos, brasileiros perdem acesso ao crédito por causa da inadimplência

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

Segundo noticia Márcio Alaor, executivo do Banco BMG, ao final de maio foram divulgados dados relativos à inadimplência para pessoas físicas e empresas nas operações de crédito com recursos livres alcançou o patamar de 5,7%, o maior em cinco anos.

A crescente inadimplência reflete um momento de recessão na economia brasileira. Márcio Alaor relembra o encolhimento do PIB em 3,8%, registrado no ano anterior. Segundo o executivo do Banco BMG, a previsão dos economistas é de que o mesmo aconteça esse ano, no qual a taxa de desemprego já superou os 10% no primeiro trimestre.

Como consequência, o número de brasileiros com o nome negativado nos serviços de proteção ao crédito alcançou a margem de 39,91% da população economicamente ativa: São quase 60 milhões de brasileiros com restrição ao crédito, segundo informações do SPC Brasil e da CNDL.

Continua depois da publicidade

Os números da inadimplência no país

Márcio Alaor cita as informações do Serasa Experian que comprovam que a gravidade da inadimplência é ainda maior em São Paulo: O estado sozinho responde por 30% da inadimplência registrada em todo o país. No Sudeste, a situação é ainda mais grave: SP é responsável por uma faixa de 60% a 70% do total registrado na região.

Apenas no mês passado, conforme relata o executivo do Banco BMG, mais de 50 mil pessoas tiveram seus nomes negativados por não honrarem seus compromissos financeiros. Parece muito? É apenas 10% do registrado no mês anterior, quando meio milhão de brasileiros tiveram seu CPF negativado.

Esses números, considera Alaor, podem ser ainda maiores, pois há uma parcela de devedores que não foram inscritos nos cadastros de proteção ao crédito devido à Lei do Aviso de Recebimento vigente no estado de São Paulo, que proíbe a negativação dos consumidores sem a comprovação do aviso enviado através de AR.

Os efeitos da inadimplência na concessão de crédito

A principal repercussão desse registro na vida dos devedores, conforme analisa Márcio Alaor, é a restrição na concessão de crédito. As pessoas com restrições cadastrais ficam impedidas de:

Realizar compras a prazo;
Tomar empréstimos ou financiamentos;
Obter outras linhas de crédito;
Receber folhas de cheque das instituições bancárias, mesmo já possuindo conta corrente ativa.
As causas da inadimplência brasileira

O cenário de crise pelo qual passa o Brasil é uma das principais razões para esse aumento gigantesco da inadimplência. O executivo do Banco BMG, especialista nos assuntos relacionados à concessão de crédito, explica que a crise diminui o poder de compra da população, que recorre a opções de crédito, mas dado o nível de desemprego crescente, muitas vezes não pode honrar os compromissos assumidos.

As famílias, reporta Márcio Alaor, estão tendo dificuldades inclusive para o pagamento de suas contas essenciais e as empresas de consumos considerados essenciais também registraram atrasos nos pagamentos das contas de água, luz e gás. Segundo especialistas, o número observado no último mês representa uma estabilização no cenário, frente a resultados anteriores.

O executivo do Banco BMG comenta que especialistas financeiros, além da ANBC, a Associação Nacional de Birôs de Crédito, preveem que a inadimplência comece a desenhar sua curva de retorno apenas em meados de 2018. O desemprego, aliado à diminuição da renda real, registrados desde 2015 provocou um efeito tão complexo e profundo, que será preciso cuidado e paciência para aguardar a reversão desse cenário.

Tópicos relacionados