Mais de 85% dos gestores não recebe treinamento antes de assumir cargo de liderança

Pesquisa da Affero Lab mostra nível de preparo dos profissionais para assumir a primeira liderança

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

São Paulo, junho de 2016 – De acordo com um estudo sobre liderança feito pela Affero Lab, maior empresa de educação corporativa do Brasil, apenas 14,5% dos gestores passaram por algum tipo de treinamento formal antes de assumir sua primeira gestão. Isso significa que a maioria (85,5%) aprende a ser gestor no exercício da função, por tentativa e acerto. Isso embasa outro achado da pesquisa: 60% dos novos gestores falham nos dois primeiros anos em seu novo cargo.

“A maioria dos gestores é promovida sem nenhum tipo de treinamento formal. Apesar de grandes organizações investirem frequentemente em programas de formação, nem sempre eles acontecem no momento da necessidade. Há uma crença de que certas habilidades já estariam presentes e de que basta identificá-las no processo seletivo”, explica Alexandre Santille, CEO da Affero Lab.

Em relação à trajetória profissional percorrida para chegar até a primeira gestão, a maioria dos entrevistados apontou a indicação do gestor direto (40,9%) como o modo mais comum, seguido de troca de empresa (27,6%) e processo seletivo interno (14,5%).

Continua depois da publicidade

Estudos apontam que o primeiro cargo gerencial é a experiência que determina as bases do perfil do profissional como gestor. “A primeira gestão tem uma influência duradoura sobre o desenvolvimento dos executivos, pois é neste momento que construirão habilidades e julgamentos que vão apoiá-los durante sua carreira. Por isso, a preparação de um pipeline de liderança, ou seja, um “banco de reservas” de novos líderes na empresa para evitar soluções de curto prazo e contratações inadequadas. Quando a companhia fortalece o pipeline de liderança, já se prepara para o futuro e também desenvolve um processo contínuo de desenvolvimento consistente. Nesse cenário, é possível diagnosticar e solucionar gaps de habilidades, conhecimento e experiência, antes mesmo que possíveis erros sejam cometidos”, afirma Santille.

Expectativas e Angústias

O estudo também mapeou expectativas e angústias relacionadas à primeira gestão. No campo das expectativas, ter mais desafios e responsabilidades relevantes ficou em primeiro lugar (89,3%), seguido de ter que desenvolver pessoas (86,6%), além de ter acesso a decisões estratégicas dentro da empresa (85,8%).

Já a maior angústia de quem assume pela primeira vez a função de gestor está associada a alcançar resultados na empresa e atender as expectativas do líder direto (68,1%). Ao serem efetivados no cargo de gestão, o cuidado com o desenvolvimento e a carreira da equipe passa a ser a segunda maior angústia de novos gestores (52,7%). Essa atribuição, que antes era uma expectativa desejada, passa à categoria de angústia após o início na função. Talvez porque gestores de primeira viagem percebam na vida real que desenvolver competências necessárias nos outros não é uma tarefa tão fácil. Além disso, aumentar o nível de produtividade e performance do grupo e, ao mesmo tempo, dar conta do próprio trabalho exige um grau de responsabilidade maior que pode gerar ansiedade.

Quando perguntados em quais recursos buscaram apoio para solucionar essas angústias do início da experiência como gestor, apenas 21,5% revelam ter feito algum curso. Em geral, para aperfeiçoar suas habilidades de gestão a maioria buscou apoio em seus líderes (78,6%). Em contrapartida, “buscar o auxílio do RH” (18,3%) ficou em penúltimo lugar, o que demonstra a baixa confiança dos profissionais em se apoiar na área responsável pelo desenvolvimento de pessoas nas organizações, ainda mais se considerarmos que este recurso só não ficou atrás da última opção “Não soube como agir e deixou as coisas acontecerem”.

Sobre a pesquisa

A proposta da pesquisa “Primeira Gestão” é entender quais são as demandas dos gestores novatos e, a partir dos resultados, levantar tópicos que ajudem na seleção, desenvolvimento e formação de líderes dentro das companhias. Mais de 4.000 profissionais atuantes em grandes empresas dos diversos setores da indústria, responderam sobre sua primeira experiência em um cargo de liderança. Esses executivos ocupam cargos desde coordenadores e especialistas até executivos da média e alta liderança. 62,9% são profissionais da área de Humanas, 89,5% são formados em nível Superior, 51,0% têm pós-graduação e 49,8% têm idade entre 32 e 46 anos.

Sobre a Affero Lab

A Affero Lab é líder nacional no segmento de educação corporativa com soluções de tecnologia, presenciais e blended voltadas ao aprendizado, vinculando treinamento e resultados. Atualmente, tem mais de 200 clientes, entre as maiores organizações do país, e desenvolve projetos em todas as regiões brasileiras, América Latina, Estados Unidos e Europa. Em 2015, a Affero Lab se tornou sócia da Bertelsmann, multinacional de mídia, serviços e educação e da International Finance Corporation – IFC, instituição global de propriedade do Banco Mundial, dando início a um novo ciclo de expansão.

Recentemente, a Affero Lab dividiu sua atuação em três áreas de negócios: Next – dedicada ao desenvolvimento de soluções que formam e preparam líderes, Flow – focada em serviços de aprendizagem sob medida para cada negócio e Plug.IT – foco em plataformas tecnológicas que gerenciam o processo de aprendizagem para grandes grupos.

Informações para a imprensa:
Ludmilla Gutierrez – ludmilla.gutierrez@advicecc.com
Amanda Lima – amanda.lima@advicecc.com
Fernanda Dabori – fernanda.dabori@advicecc.com
Tel: (11) 5103-2779

Tópicos relacionados