Empoderamento Feminino: o que os indicadores não dizem

Estamos vivendo numa era de muita informação, mas de pouca análise.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

*Por Renê Sanda e Dulcejane Vaz

Segundo os Princípios de Empoderamento das Mulheres, uma publicação conjunta da ONU Mulheres Brasil e a Rede Brasileira do Pacto Global, empoderar o contingente feminino para que elas participem integralmente de todos os setores da economia é essencial para estabelecer sociedades mais estáveis e justas; atingir os objetivos de desenvolvimento, sustentabilidade e direitos humanos internacionalmente reconhecidos; melhorar a qualidade de vida para as mulheres, homens, famílias e comunidades e, impulsionar as operações e as metas dos negócios.

As mulheres são uma grande força para a economia mundial, representam mais de 40% da mão de obra global, 43% da força de trabalho atuante e mais da metade dos estudantes universitários do mundo, de acordo com relatório do Banco Mundial (2012).

Continua depois da publicidade

Pesquisas de campo demonstram que países com melhor igualdade de gênero tendem a ter menores taxas de pobreza e que uma das mais eficazes formas de acelerar o desenvolvimento econômico de um país é criar mecanismos de geração de renda para um número maior de mulheres, pois elas reinvestem mais seus rendimentos na família e na comunidade, gerando melhores oportunidades futuras.

Não é o objetivo deste artigo analisar os esforços, ações afirmativas e políticas públicas mas trazer para o debate uma outra questão: os indicadores aplicados para justificar o empoderamento feminino estão sendo mal interpretados.

Isso acontece porque estamos vivendo numa era de muita informação, mas de pouca análise. O bombardeio de textos curtos e pouco profundos nas redes sociais induz à formação de opiniões instantâneas sobre tudo. Se esses textos vierem acompanhados de um gráfico então não há como duvidar. A relação causa-efeito está lá, nítida, impossível discordar.

Os americanos, acostumados com abundância de estatísticas, têm uma expressão bem pouco familiar para nós brasileiros: “Correlation does not equal causation”.

É mais fácil explicar essa frase com um exemplo. O gráfico publicado neste artigo e extraído do livro “Beware Spurious Correlations” mostra uma estranha relação entre vendas de iPhone e mortes causadas por quedas de escadas.

Por favor, não tentem achar uma explicação do tipo “provavelmente caíram da escada enquanto teclavam no iPhone”. Não existe nenhuma relação de causa e efeito entre essas duas variáveis. A única coisa que as une é a variável tempo. Mais celulares têm sido vendidos a cada ano e mais pessoas têm morrido por quedas de escadas a cada ano simplesmente porque a população americana está ficando mais idosa e, portanto, mais sujeita a esse tipo de acidente. A famosa frase americana nos ensina que o fato de duas variáveis serem correlacionadas (terem comportamento gráfico semelhante) não significa que haja uma relação de causalidade entre elas.

Apenas para inspiração, tivemos um caso em que uma ex-presidente inflou a sua plateia quando sugeriu uma relação entre o número de operações da Polícia Federal e as perdas na economia. Para os que desejarem devolver na mesma moeda, sugerimos divulgar um gráfico comparando a taxa de rejeição da ex-“presidenta” e o nível de água nos reservatórios durante o ano de 2015.

Nem sempre é fácil identificar essas relações espúrias. Um estudo científico publicado na revista Nature, em 1999, demonstrava a relação entre miopia e o fato de se dormir com a luz acesa nos dois primeiros anos de vida. A verdadeira explicação publicada na mesma revista pouco tempo depois estava no fato de que pais míopes tinham maior propensão em deixar a luz acesa no quartos de seus filhos. Ou seja, a causa era genética.

Recentemente, a mídia deu excessiva atenção a um determinado estudo que afirmou que a lucratividade das empresas poderia estar relacionada com uma maior participação de mulheres em cargos de diretoria.

Apresentar a lucratividade das empresas como função direta da participação feminina é questionável. O que ocorre é que empresas com maior número de mulheres em cargos executivos são organizações de maior porte, com práticas de gestão mais modernas e profissionais qualificadas para as diferentes funções, portanto, mais resilientes e lucrativas.

É possível ilustrar tal argumento da seguinte forma: existem diversos estudos demonstrando que empresas mais lucrativas têm um turnover baixo quando comparados à média das organizações de seu setor. Tal afirmativa poderia levar o administrador de uma empresa deficitária a buscar reduzir a zero o turnover na esperança de tornar a companhia lucrativa o que levaria a resultados desastrosos. Obviamente, o turnover baixo é consequência de diversas práticas de boa gestão e não causa para uma maior lucratividade.

Isto é, não é correto afirmar que o estilo feminino de liderança visto de forma isolada gera melhores resultados financeiros para a companhia.

É certo que o crescimento sustentável da empresa passa, necessariamente, pela oferta igualitária de oportunidades entre homens e mulheres, mas valer-se do argumento de elevar o número de mulheres em cargos executivos como solução para aumentar a lucratividade da empresa, quando desprovido de outras iniciativas conjugadas, parece ser uma medida semelhante à de apagar a luz do quarto dos nossos filhos para que eles não fiquem míopes. É raso demais!

* Sobre os autores:

Renê Sanda é Mestre em Estatística pela USP e, atualmente, Conselheiro de Administração do Fundo Garantidor de Crédito (FGC) e da Fundição Tupy.

Dulcejane Vaz é Economista, funcionária de carreira de um banco público e ativista social em prol da equidade de gênero.

Tópicos relacionados