Dia dos Namorados surpreende e apresenta alta de fluxo de clientes na última semana

Embora o resultado positivo registrado na última semana, período apresentou queda de 2,5% em relação ao mesmo período de 2015. Movimentação foi similar à registrada no período do Dia das Mães.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

São Paulo, 17 de Junho de 2016 – O período que equivale ao momento sazonal do Dia das Mães de 2016 registrou redução de 2,5% se comparado a 2015, em relação ao fluxo de pessoas no varejo físico. A surpresa dá-se em relação aos números da última semana antes da data, que apresentaram um resultado positivo, com aumento de 8,7% no comparativo com o mesmo período. O apontamento é do ICV (Índice de Consumidores no Varejo), divulgado pela Virtual Gate, empresa especializada no monitoramento de fluxo de clientes em pontos de venda.

A análise demonstra que houve crescimento de fluxo em decorrência da sazonalidade nos últimos dias antes da data festiva a partir do sábado (04/07), havendo pico de fluxo no sábado, véspera do Dia dos Namorados.

Na análise do período de 21 dias o fluxo de 2016 foi 2,5% menor que o de 2015, com destaque positivo para semana da sazonalidade, a única que o fluxo de 2016 superou a do ano anterior em 8,7%.

Continua depois da publicidade

De acordo com Samuel Macedo, gerente de indicadores e pós-vendas da Virtual Gate, o resultado do fluxo maior na última semana não surpreende: “Embora a crise, uma análise correlacionada com outros indicadores de mercado, nos faz entender que mesmo que se trate de uma pequena lembrança, o consumidor provavelmente na última hora fez valer mais o lado emocional da compra, efeito similar ao que encontramos no último período sazonal registrado, o Dia das Mães”.

Os dados da ICV mostram também que a região Sul e a Sudeste registraram resultados positivos em relação ao ano anterior, registrando crescimento de 5,0% e 1,0% respectivamente na comparação entre os períodos de 2015 e 2016 (21 dias). A maior redução de fluxo ocorreu na região nordeste, com quedas acima dos 10,7%.

Na opinião de Heloísa Cranchi, diretora geral da Virtual Gate, o aumento de fluxo na última hora pode ter uma explicação. “Com resultados ainda em patamares negativos, é possível que o segundo semestre se inicie como um período intenso de liquidações e queimas de estoque, em busca das vendas perdidas ao longo desse primeiro semestre”.

A base analisada conta com mais de 1200 pontos de medições (lojas) adota a Classificação Nacional de Atividades Econômicas – CNAE, na sua versão mais atual 2.0, ponto de referência Base 100 = Janeiro de cada ano para comparativos anuais, e Base = 100 primeiro mês analisado no comparativo mês a mês.

Sobre a Virtual Gate

Fundada em 2002, a Virtual Gate, fornece soluções para o aumento de faturamento dos varejistas por meio de tecnologia que permite a gestão do fluxo do consumidor e da taxa de conversão. Atende algumas das maiores empresas do País e grandes redes varejistas, além de oferecer soluções de valor agregado para médias e pequenas empresas de todo o Brasil, com clientes em todas as regiões. Seu portfólio tem alguns cases de sucesso como: C&A, Pernambucanas, TendTudo, Casa Show, Nike, Livraria Cultura, Saraiva, Lojas Americanas, Farm, Paquetá, Calvin Klein, Loungerie, L”Occitane, Sephora, entre outros.

Mais informações: www.virtualgate.com.br
Website: http://www.virtualgate.com.br

Tópicos relacionados