Como a proatividade pode turbinar as estratégias das empresas?

A proatividade vai contra o conformismo e desenvolve capacidades para inovar no mercado e mudar as regras do jogo.

Importante: os comentários e opiniões contidos neste texto são responsabilidade do autor e não necessariamente refletem a opinião do InfoMoney ou de seus controladores

Publicidade

No mundo empresarial, muito se fala sobre proatividade . Ao mesmo tempo, esse é um termo pouco compreendido. Gestores querem que suas equipes sejam mais proativas; empresários gostariam de serem mais assertivos na prospecção do futuro. Assim, a proatividade se tornou uma buzzword, ou seja, muito falada, mas pouco aplicada. Essa realidade nos remete a uma pergunta que não quer calar:

O que é a proatividade e como usá-la dentro da minha empresa?

O QUE É PROATIVIDADE?

Continua depois da publicidade

A Proatividade remete a uma palavra-chave: antecipação. Ser proativo no âmbito das empresas, portanto, significa antecipar as mudanças, agindo sobre elas antes que se tornem realidade. Significa, ainda, criar a própria mudança de forma deliberada.

Uma empresa proativa é aquela que busca mudar as regras do jogo e inovar sempre – a inovação, aliás, é uma das pedras de toque da ação proativa. O que seria de nós, por exemplo, se Steve Jobs tivesse ouvido as críticas às suas ideias inovadoras nos anos 1980 e s não tivesse inovado o mercado de computadores e sistemas operacionais? Ou se Coco Chanel não tivesse ido contra os padrões de sua época e desenhado roupas femininas mais leves e com cortes retos? Arriscar em solo fértil é florescer!

Dessa forma, a proatividade se diferencia da reatividade (esses termos não são contrários um ao outro) no sentido de que, enquanto a primeira visa à diferenciação e à inovação, a segunda busca responder aos desafios do mercado de forma simples e sucinta, sempre reagindo às ações, assim como diz a lei de Newton. Parafraseando o velho ditado: enquanto a reatividade vai com a farinha, a proatividade já voltou com o bolo.

COMO APLICAR A PROATIVIDADE NA MINHA EMPRESA ?

Muitas empresas, hoje em dia, apenas respondem reativamente às necessidades do mercado. Isso é bastante perigoso, já que as dinâmicas da mudança são inexoráveis e, mais grave, muitas vezes não passíveis de adaptação.

Dessa forma, a proatividade vai contra o conformismo e desenvolve capacidades para inovar no mercado e mudar as regras do jogo. Sugerimos algumas dessas capacidades para sua empresa:

Arrisque-se: quem não arrisca, está fadado a vender apenas produtos e serviços medianos. Por isso, pense além, mas não antes de analisar suas possibilidades, ver o que a empresa pode perder ou ganhar e estimular a equipe a pensar fora da caixa.

Dê autonomia ao time de marketing: valorize seu time de marketing e dê a ele a liberdade de apostar em novos produtos, testar fórmulas alternativas de comunicação e pesquisar novas estratégias. Caso contrário, ele se tornará apenas uma equipe de apoio às vendas e de posicionamento de ofertas no mercado.

Equilibre o curto e o longo prazo: como empreendedores, temos o hábito de pensar apenas de imediato, respondendo às crises momentâneas sem olhar para o futuro do próprio cenário do mercado. Porém, mais do que isso, é importante olhar além e pensar no que está por vir – como meu público se comportará no futuro? Quais estratégias serão usadas daqui a 10 anos? Se você não se preparar para o futuro, ele pode te engolir. Tome cuidado!

Lidere proativamente: liderar é estimular os funcionários e a empresa a crescer. Para ser um líder, dê autonomia aos seus profissionais, reconheça o trabalho de cada um deles e os motive sempre, dê treinamentos quando necessário, seja proativo e passe essa cultura adiante.

Otimize os recursos disponíveis: a abundância de recursos financeiros não garante que a empresa tenha proatividade – muitas delas continuam reféns do marketing reativo não por falta de dinheiro, mas por medo de arriscar e por terem pouca visão de futuro. Sendo assim, seja criativo para utilizar os seus recursos disponíveis, potencialize sua verba da forma mais inteligente possível e planeje suas despesas de forma a não gastar a mais com o que for desnecessário.

Pratique a pesquisa proativa e entenda o seu público: não dá para adivinhar como o mercado se comportará daqui a alguns anos. Por isso, é muito importante não apenas fazer uma pesquisa convencional sobre os consumidores, mas conhecê-los a fundo, saber como eles interagem com seu produto ou serviço e aprender o que eles não vão te dizer de primeira.

Seja estratégico em tempo hábil: proatividade não quer dizer ser o primeiro, mas sim desenvolver estratégias tão cativantes e inovadoras que podem mudar o cenário mercadológico. Por isso, a pesquisa e o planejamento de estratégia são muito importantes.

Enxergue oportunidades onde outros só veem problemas: já ouviu o ditado “carro apertado é que canta”? Pois bem, é preciso saber fazer das crises oportunidades de inovação e de crescimento da empresa. Por isso, inove, mesmo em época de vacas magras, e aprenda com os seus erros e com os erros dos concorrentes (e lembre-se que o seu objetivo não é derrotá-los, mas sim criar valor para o seu próprio negócio).

Resumo da ópera: a proatividade exige estratégias básicas que podem ser aplicadas para o crescimento da empresa e de suas vendas, além de aumentar sua presença de mercado. E tudo pode começar com uma simples pergunta retórica: qual é o impacto que você quer deixar para o mundo?

Ficou interessado? A proatividade te provocou? Quer saber mais a respeito? Que tal entrar em contato conosco? E caso queira aprender mais sobre a proatividade e alguns cases de sucesso, entre em nosso blog e leia nossos artigos.
Website: http://proatividademercado.com.br

Tópicos relacionados