Fundos imobiliários

Vendas de FIIs de shopping crescem até 19% em relação ao período pré-pandemia

Destaque da lista, HSI Malls (HSML11) elevou a distribuição de dividendos em julho para R$ 0,65 por cota

Por  Wellington Carvalho -

 

Os quatro principais fundos imobiliários de shopping – em termos de liquidez diária – registraram em maio aumento de até 19% no volume de vendas, na comparação com o mesmo mês de 2019, período pré-pandemia da Covid-19 e utilizado pelo segmento como referência para medir a evolução do setor.

Os números fazem parte dos relatórios gerenciais dos FIIs divulgados entre os dias 7 e 11 de julho. Os documentos também detalham o resultado operacional líquido (NOI) e a taxa de desocupação das carteiras.

Em maio, o HSI Malls (HSML11) registrou um aumento nas vendas de 19%, o maior entre os principais FIIs do segmento. No período, o NOI do fundo – resultado após a dedução das despesas – cresceu 11% na comparação com o quinto mês de 2019. Confira os detalhes das demais carteiras.

TickerFundoDesempenho das Vendas – Maio (%)Variação do NOI – Maio (%)Taxa de desocupação (%)
HSML11HSI Malls19114,9
XPML11XP Malls14,81013,9
HGBS11Hedge Brasil Shopping12,68,36,9
VISC11]Vinci Shopping Centers12,4-5,47,3

Fonte: Relatórios gerenciais dos FIIs

“O resultado operacional do fundo segue superando continuamente o realizado no período pré-pandemia, acumulando uma variação de NOI em relação a 2019 de 12%”, aponta relatório do HSI Malls.

Diante do desempenho, o fundo lembra que elevou a distribuição de dividendos em julho para R$ 0,65 por cota. Até o final do ano, a carteira projeta repasses mensais entre R$ 0,64 e R$ 0,66 por cota.

Em maio, a taxa de vacância – que mede a desocupação das lojas – dos FIIs de shopping mais líquidos da B3 ficou entre 3,9% e 7,3%. De acordo com a Associação Brasileira dos Shopping Centers (Abrasce), o percentual médio do setor está em 6,1%.

“Desde o começo do ano conseguimos perceber patamares saudáveis nos indicadores operacionais do XP Malls, reforçando a visão otimista da gestão para o setor e para a carteira”, pontua o relatório gerencial do FII.

Compartilhe