Balanço do mês

Títulos públicos desvalorizam até 3,3% em maio com pressão inflacionária e maior aversão a risco global

Papel com maior recuo no mês é o Tesouro IPCA+ 2045, que perdeu 7,64% do seu valor no ano e 18,30% nos últimos 12 meses

Por  Bruna Furlani -

Em um mês fortemente marcado pela piora das dinâmicas inflacionárias ao redor do mundo, as curvas de juros voltaram a subir e o efeito disso também pôde ser visto no Tesouro Direto.

A elevação é fruto da perspectiva de agentes financeiros de que os bancos centrais terão que adotar políticas monetárias ainda mais contracionistas para domar a alta de preços.

Discussões em torno de um projeto de lei que limita a cobrança de ICMS sobre combustíveis, energia elétrica, transporte coletivo e comunicações também pesaram sobre os juros em maio.

Como era de se esperar, o aumento das taxas foi acompanhado pela desvalorização dos papéis. Em maio, alguns títulos chegaram a ver o preço cair até 3,3%. Caso do Tesouro IPCA +2045, que perdeu 7,64% do seu valor no ano e 18,30% em 12 meses. Os dados são do Tesouro Direto.

Embora o título tenha oscilado ao longo do mês, no início de maio, a taxa real entregue pelo papel era de 5,63% ao ano. Já no fim do mês, o juro real oferecido pelo Tesouro IPCA+2045 tinha chegado a 5,74%.

Papéis prefixados – como o título com vencimento em 2033 e pagamento de juros semestrais – também sofreram bastante, com uma queda nos preços de 1,84% em maio.

O fenômeno em que a elevação das taxas tem como consequência a queda nos preços – e, portanto, a desvalorização dos papéis – está relacionado à chamada marcação a mercado.

Os juros oferecidos por um título de renda fixa têm uma relação inversa com o seu valor de negociação pelos investidores. Quando as taxas sobem, como foi o caso agora, seu preço tende a cair. O contrário também é verdadeiro.

Entre os títulos disponíveis hoje para compra no Tesouro Direto, somente o Tesouro IPCA+ 2026 encerrou maio com leve alta nos preços, de 0,03%. Isso sem considerar os papéis com remuneração atrelada à Selic (Tesouro Selic), que também terminaram o mês com alta nos preços.

Com a manutenção da dinâmica inflacionária no curto prazo, papéis atrelados à inflação ganharam maior peso em alguns portfólios em junho.

Em relatório da Rico Investimentos publicado nesta semana, a casa destacou que aumentou a sugestão de alocação em renda fixa atrelada ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) em seis carteiras: para os clientes considerados precavidos; defensivos; estrategistas; visionários; energéticos; e destemidos.

O foco sobre esses papéis se dá porque a inflação segue bastante pressionada e disseminada na cena local. Logo, títulos capazes de proteger o poder de compra e o patrimônio podem ser bons trunfos.

No caso de papéis do Tesouro, a preferência é pelo papel de menor prazo (Tesouro IPCA+ 2026), segundo outro relatório publicado pela analista Paula Zogbi, da Rico.

Para papéis prefixados ou atrelados à Selic, títulos como o Tesouro Prefixado 2025 e o Tesouro Selic 2025 são os preferidos da especialista da Rico.

Paula, no entanto, faz uma observação: quem optar por papéis prefixados deve buscar levar o título até o vencimento, para não sofrer com a marcação a mercado. “Para prazos mais longos, seguimos recomendando exposição a ativos indexados pela inflação”, pondera a analista da Rico.

Vale lembrar, contudo, que as perdas ou os ganhos apontados no mês só acontecem se o investidor decidir vender os papéis antecipadamente. Se carregá-los até o vencimento, a remuneração vai respeitar as taxas e as condições contratadas no momento de aquisição dos títulos.

Confira a seguir como se comportaram os títulos públicos disponíveis para novos investimentos em maio e no acumulado dos últimos 12 meses: 

TítulosVencimentoNo mêsNo ano12 meses
Prefixados
Tesouro Prefixado01/01/2025-0,15%-0,32%-2,52%
Tesouro Prefixado01/01/2029-1,38%
Tesouro Prefixado com Juros Semestrais01/01/2033-1,84%
Indexados à Selic
Tesouro Selic01/03/20251,07%4,47%8,62%
Tesouro Selic01/03/20271,12%4,80%8,94%
Indexados ao IPCA
Tesouro IPCA+15/08/20260,03%4,21%6,26%
Tesouro IPCA+15/05/2035-1,28%-1,42%-4,53%
Tesouro IPCA+15/05/2045-3,30%-7,64%-18,30%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais15/08/2032-0,64%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais15/08/2040-0,83%0,89%-1,35%
Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais15/05/2055-0,91%-1,15%-5,53%

Fonte: Tesouro Direto. Dados até 31/05/2022.

Calculadora de renda fixa
Baixe uma planilha gratuita que compara a rentabilidade dos seus investimentos de renda fixa:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe