Conteúdo editorial apoiado por

Títulos de renda fixa globais registram maior alta mensal em quase 15 anos

Ganhos chegaram a 4,9% em novembro, o maior desde dezembro de 2008

Bloomberg

(Getty Images)

Publicidade

Os bonds globais (títulos de renda fixa negociados no mercado internacional) estão subindo em um ritmo mais rápido desde a crise financeiro de 2008.

Um indicador da Bloomberg sobre dívida soberana e corporativa global registrou um retorno de 4,9% em novembro, o maior desde a alta de 6,2% no auge da recessão, em dezembro de 2008. A recuperação está sendo impulsionada pela crescente especulação de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) e os seus pares globais já terminaram em grande parte o aumento dos juros.

Os investidores voltaram a investir em ativos de renda fixa em novembro, à medida que os sinais de que o crescimento global está esfriando os estimularam a apostar em cortes nas taxas do Fed ao longo de 2024. O membro do Fed Christopher Waller deu mais ímpeto a esse movimento na terça-feira (28), dizendo que o nível atual da política de aperto monetário parece estar bem posicionado para desacelerar a economia e reduzir a inflação.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Waller tem sido um membro mais agressivo, então ele parecer pacífico foi significativo”, disse James Wilson, gestor de portfólio sênior da Jamieson Coote Bonds, em Melbourne. “Parece que o Fed praticamente encerradou seu ciclo de altas de juros.”

global bonds retorno
Crédito: Bloomberg

Os títulos do Tesouro ampliaram o ganho deste mês nas negociações asiáticas na quarta-feira (29), com os rendimentos dos títulos de 10 anos dos EUA caindo abaixo de 4,3% pela primeira vez em mais de dois meses. Os títulos australianos com vencimento semelhante caíram até 14 pontos base depois que dados de inflação local mais fracos do que o esperado estimularam os investidores a começarem a apostar que os formuladores de políticas terminaram as altas.

Ano volátil

A atual recuperação é apenas a mais recente reviravolta num ano volátil para os bonds globais. Os títulos avançaram em janeiro, antes de oscilarem nos seis meses seguintes e, em seguida, iniciarem uma queda de três meses a partir de agosto. O índice Bloomberg Global Aggregate Total Return caiu até 3,8% no ano quando atingiu o fundo do poço em meados de outubro. O indicador agora sobe 1,4% no acumulado do ano.

“O Fed está fornecendo parâmetros para uma potencial política [monetária] mais flexível”, disse Gregory Faranello, head de negociação e estratégia de juros dos EUA da AmeriVet Securities, em Nova York.

A guinada “dovish” (mais propensa a redução de juros) nas expectativas do Fed tem sido benéfica para os títulos corporativos. Os spreads da dívida global das empresas com grau de investimento oscilam em torno dos níveis mais baixos desde abril de 2022, de acordo com um índice da Bloomberg. Eles diminuíram ao longo do mês passado, à medida que os investidores corriam para adquirir os títulos em meio ao crescente otimismo sobre um “pouso suave” na economia dos EUA.

O rendimento médio dos títulos corporativos recuou para cerca de 5,3% ao ano na última semana, depois de subir para quase 6% em outubro, o maior desde 2009, mostram dados compilados pela Bloomberg.

Ainda existe alguma tensão entre as opiniões dos investidores de crédito e dos operadores de juros, cuja previsão de cortes rápidos nas taxas do Fed parece exigir um pouso significativamente mais duro.

Os contratos de swaps preveem atualmente um ponto percentual de queda de juros nos EUA até o final de 2024. Nas suas previsões mais recentes, em setembro, autoridades monetárias americanas anteciparam um aumento das taxas mais uma vez este ano – o que não fizeram até agora – e um corte de meio ponto percentual em 2024. Eles atualizarão essas previsões na reunião prevista para encerrar em 13 de dezembro.

© 2023 Bloomberg L.P.

Newsletter

Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?

Inscreva-se na newsletter do InfoMoney para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.