Tesouro Direto: retornos de prefixados recuam para até 13,08%; mercado aguarda “freio de arrumação” de Lula

Entre os títulos atrelados à inflação, o Tesouro IPCA+2026 oferecia o maior retorno real, de 6,38%

Neide Martingo

(Getty Images)

Publicidade

As atenções do mercado nesta quinta-feira (5) estão voltadas para a primeira reunião ministerial do novo governo, marcada para amanhã (6).

O encontro deverá servir para o presidente alinhar o discurso, após recentes divergências públicas entre ministros. Os “ruídos” da equipe têm feito muito barulho entre agentes financeiros.

Declarações de ministros que refutaram mudanças na Reforma da Previdência, além de intervenções nos preços de combustíveis ajudam a melhorar um pouco o humor do mercado, pelo segundo dia seguido. Por volta das 16h05, o Ibovespa batia nova máxima do dia, com alta de 2,00% (107.440 pontos). O dólar operava na mínima do dia, com queda de 1,59%, a R$ 5,366.

Continua depois da publicidade

Apesar da tentativa de alinhar os discursos, as dúvidas em relação ao novo governo seguem grandes. “A incerteza deve permanecer elevada à medida que Lula tenta navegar em uma situação fiscal muito mais frágil, em meio a uma economia em desaceleração, na qual o ambiente externo parece mais hostil, com a desaceleração do crescimento global, enquanto o ambiente político doméstico é desafiador”, diz Thomas Haugaard, gerente de portfólio da Janus Henderson.

Para ele, o Congresso está mais conservador e restrições sociais são claramente muito rígidas, com a pandemia e uma sociedade polarizada após uma eleição muito apertada.

Segundo Guilherme Mendes, especialista em Renda Fixa da Blue3, a incerteza deve permanecer no dia a dia do brasileiro, na medida em que o presidente Lula tenta navegar numa situação fiscal frágil, na busca por uma política monetária contracionista, que é necessária no momento atual do país, com o cumprimento das promessas realizadas durante a campanha eleitoral.

Continua depois da publicidade

No Tesouro Direto, os títulos públicos apresentam queda nesta tarde, movimento que foi visto desde a manhã. Na parte da manhã, os prefixados tiveram redução de até 14 pontos-base (0,14 ponto percentual) nos juros, como o Prefixado 2025 e o Prefixado 2029. Às 15h25, o maior retorno era oferecido pelos papéis com vencimento em 2025 e 2029, de 13,08% ao ano, inferior aos 13,35% da sessão anterior.

Entre os títulos atrelados à inflação, o Tesouro IPCA+2026 oferecia o maior retorno real, de 6,38%, bem abaixo dos 6,46% da véspera.

“As falas do presidente Lula têm causado bastante reação nos mercados. Acredito que vamos ver esse cenário ainda no mês de janeiro, período de definição. Além disso, a ata do FED, relativa às reuniões de 13 e 14 de dezembro, mostra que o juro vai ter que continuar subindo”, diz. “Tudo isso acabou refletindo aqui no Brasil, principalmente nos cenários fiscal e político”, afirma Vinicius Romano, especialista de Renda Fixa na Suno Research.

Continua depois da publicidade

Confira os preços e as taxas dos títulos públicos disponíveis para a compra no Tesouro Direto na tarde desta quinta-feira (4): 

Tesouro Direto
Fonte: Tesouro Direto

Haddad e clareza sobre o cenário fiscal

Dois dias após o embaixador da Argentina, Daniel Scioli, dizer que debateu com Fernando Haddad o projeto de criação de uma moeda única para o comércio dentro do Mercosul, o titular da Fazenda se irritou nesta quinta-feira (5), com perguntas sobre o tema.

Após a cerimônia de transmissão de cargo da ministra do Planejamento, Simone Tebet (MDB), Haddad disse que desconhecia a proposta. “ Não existe uma moeda única, não existe essa proposta, vai se informar primeiro”, disse Haddad a jornalistas, ao deixar o Palácio do Planalto.

Continua depois da publicidade

Os ruídos em torno de ministros do novo governo têm preocupado agentes financeiros, juntamente com as discussões fiscais.

Segundo relatório divulgado hoje por Adriana Dupita, economista de Brasil e Argentina da Bloomberg Economics, os mercados perceberam o impacto potencial nas perspectivas fiscais, mas podem moderar, assim que o caminho da política se tornar mais claro.

De acordo com o documento, a surpreendente decisão de Lula de estender os cortes de impostos federais indica que, apesar das nomeações de alto nível para os ministérios da Fazenda, Planejamento e Desenvolvimento, o presidente detém a palavra final sobre as principais políticas econômicas.

Continua depois da publicidade

“Os comentários dos membros do gabinete sobre a reversão das reformas trabalhista e previdenciária significam pouco, dada a fraqueza dos partidos de esquerda e centro-esquerda no Congresso. A aparente falta de coordenação do novo governo pesou nos preços dos ativos”, ressalta a economista.

Três dias após a posse de Lula, a especialista da Bloomberg Economics destaca que a curva de juros subiu ainda mais e o real brasileiro enfraqueceu para R$ 5,45 por dólar americano, de R$ 5,28 antes da posse.

Na sua avaliação, os preços dos ativos se recuperaram parcialmente depois que o governo negou algumas dessas reivindicações e podem subir ainda mais se Lula e seu gabinete melhorarem sua comunicação e esclarecerem os planos fiscalmente relevantes.

Produção industrial

Na agenda econômica, a produção industrial brasileira caiu 0,1% em novembro ante outubro, segundo a Pesquisa Industrial Mensal (PIM) divulgada nesta quinta-feira (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O indicador veio dentro do esperado pelo consenso Refinitiv, que apontava exatamente para a ligeira queda de 0,1%. Em outubro, o indicador tinha subido 0,3%, interrompendo dois meses de retração.

Na comparação com novembro de 2021, houve crescimento de 0,9% (previsão de +0,8%). No ano, a indústria acumula queda de 0,6% e, em 12 meses, de 1,0%.

Em novembro a média móvel trimestral ficou em -0,2%, após também recuar em outubro (-0,4%), setembro (-0,3%) e agosto (-0,2%).

Endividados

O governo federal vai criar um programa para atender as pessoas endividadas, entre elas as que contraíram empréstimo consignado oferecido pelo Auxílio Brasil em 2022, modalidade implantada para permitir a inclusão de pessoas inadimplentes de volta à economia.

O anúncio foi feito pelo ministro do Desenvolvimento e Assistência Social, Família e Combate à Fome, Wellington Dias. A iniciativa, batizada de “Desenrola Brasil”, ainda está em fase de elaboração.

De acordo com o ministério, a estimativa é de que sejam atendidas 80 milhões de pessoas inadimplentes, sendo cerca de 3,5 milhões de pessoas endividadas com o consignado e que recebem o Auxílio Brasil. As dívidas somam R$ 9,5 bilhões.

Dívida explosiva

O novo secretário do Tesouro Nacional, Rogério Ceron, afirmou que a nova equipe econômica do governo Lula trabalha para reverter a trajetória explosiva da dívida pública que se desenha diante do déficit de R$ 231 bilhões previsto no Orçamento deste ano.

Em sua primeira entrevista no cargo, Ceron assumiu o compromisso de evitar que o endividamento ultrapasse o patamar de 80% do PIB (Produto Interno Bruto). “Se nada for feito, pode atingir de fato uma trajetória explosiva, mas não é o que vai acontecer”, disse à Folha.

Reunião ministerial

O presidente Lula marcou para amanhã sua primeira reunião ministerial, na qual pretende iniciar a articulação do governo, após divergências públicas entre ministros.

O encontro já estava previsto, mas deverá servir para o presidente aparar arestas após recentes divergências públicas entre ministros.

Logo no primeiro dia de governo, Lula renovou isenção tributária sobre combustíveis apesar de o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT) haver pedido ao governo anterior para não renovar a medida que se encerraria no fim do ano passado.

Já nesta quarta-feira (4), os ministros da Casa Civil, Rui Costa, e das Relações Institucionais, Alexandre Padilha (PT), negaram que o governo esteja estudando rever a reforma previdenciária, aprovada em 2019. A declaração foi dada depois que o ministro da Previdência Social, Carlos Lupi (PDT), criticou o que chamou de “antirreforma”, sinalizando que poderia discutir mudanças.

Tebet

A senadora Simone Tebet (MDB-MS) assumiu, nesta quinta-feira (5), o comando do Ministério do Planejamento e Orçamento. Em cerimônia prestigiada no Palácio do Planalto, a parlamentar reconheceu divergências com os demais integrantes da equipe econômica do governo, mas prometeu trabalho em sintonia e disse que sua missão é “dar visibilidade aos invisíveis” e “colocar o brasileiro no Orçamento”.

“Quando o presidente Lula dá sua ordem e lança uma missão para todos nós que se cumpra a Constituição, o que ele está dizendo é que ele quer o povo brasileiro nas políticas públicas e no Orçamento. A ordem que recebi do presidente Lula é que a Constituição saia das prateleiras frias e dos discursos vazios e que nós possamos colocar as propostas do seu governo, do nosso governo, no nosso programa”, disse em seu discurso.

Emprego EUA

Investidores também repercutem divulgação da pesquisa ADP, de criação de vagas no setor privado dos EUA, que antecede o relatório de emprego (payroll), na sexta-feira (6).

Foram abertos 235 mil postos de trabalho no mês passado, de acordo com o Relatório Nacional de Emprego da ADP. A pesquisa da Reuters esperava 150 mil. As informações de novembro não foram revisadas e mostram criação de 127 mil vagas.

O número foi maior do que o esperado em dezembro, apontando para uma demanda ainda forte por mão de obra, apesar da taxa de juros mais alta.

Neide Martingo

Jornalista especializada em Economia, Finanças e Negócios, trabalhou em veículos como Valor Investe, Diário do Comércio e Gazeta Mercantil e escreve sobre Renda Fixa no InfoMoney