Tesouro Direto: juros caem após deflação no IGP-M e PIB dos EUA abaixo do esperado

Prefixado com vencimento em 2027 já ameaça pagar menos de 10%

Leonardo Guimarães

Publicidade

As taxas dos títulos do Tesouro Direto operam em queda nesta quarta-feira (28). O PIB dos Estados Unidos é o destaque do dia. No noticiário local, a reversão da reoneração da folha de pagamentos e o IGP-M estão no radar dos investidores. 

Mais cedo, o Departamento de Comércio dos EUA anunciou a segunda estimativa para o produto interno bruto (PIB) do país no quarto trimestre de 2023, que apurou crescimento de 3,2% ante o mesmo trimestre do ano anterior. 

O resultado ficou um pouco abaixo da primeira prévia, divulgada em janeiro, e da estimativa captada pelo consenso LSEG de analistas, que previa uma alta de 3,3% na comparação com o mesmo período do ano retrasado.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

CDB 230% do CDI

Destrave o seu acesso ao investimento que rende mais que o dobro da poupança e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

No cenário doméstico, destaque para medida provisória (MP) assinada ontem pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) que reverte a reoneração da folha de pagamentos que havia sido imposta no último dia 31 de dezembro. A reversão acontece após pressão do Congresso Nacional e acordo do governo com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG). 

A nova medida torna sem efeitos todo o trecho da anterior que previa a reoneração dos 17 setores da economia atendidos pelo benefício.

No campo dos indicadores locais, o Índice Geral de Preços-Mercado (IGP-M) apresentou deflação de 0,52% em fevereiro, conforme informou nesta quarta-feira a Fundação Getúlio Vargas (FGV). Assim, o indicador confirmou a tendência de perda de força, após registrar alta de 0,74% em dezembro e de apenas 0,07% em janeiro. A deflação em fevereiro foi mais intensa que a esperada pelo consenso LSEG de analistas, que previa queda de -0,50%.

Continua depois da publicidade

No Tesouro Direto, o Tesouro Prefixado 2027 pagava 10,02% ao ano na primeira atualização do dia, às 9h42, contra taxa de 10,09% na véspera. O juro do Tesouro Prefixado 2031 caía de 10,85% para 10,80%. 

Nos títulos de inflação, o papel com vencimento em 2029 entregava juro real de 5,49% ante 5,52% ontem. A taxa do Tesouro IPCA+ 2035 com juros semestrais recuava de 5,63% para 5,61%.

Confira os preços e as taxas dos títulos públicos disponíveis para compra no Tesouro Direto na manhã desta quarta-feira (28):