Taxas de CDBs prefixados têm forte alta e média passa de 12%; confira rentabilidades

A rentabilidade dos pós-fixados, por outro lado, segue caindo e alcançou média menor que a variação do CDI

Leonardo Guimarães

Publicidade

As taxas dos CDBS (Certificados de Depósito Bancário) prefixados subiram nas últimas duas semanas. Os ativos pagaram até 13,15% ao ano, bem acima dos 10,88% oferecidos atualmente no Tesouro Direto.

Um levantamento feito pela Quantum Finance a pedido do InfoMoney mostrou que a taxa média de um CDB prefixado entre 22 de novembro e 5 de dezembro foi de 12,18% ao ano. No levantamento anterior, que mediu as taxas entre 8 e 21 de novembro, a taxa média para o período era de 11,21%. Ou seja, em duas semanas, os juros CDBs prefixados subiram quase 1 ponto percentual.

Porém, Marina Renosto, chefe de alocação da Blackbird Investimentos, diz que o movimento deve ser “bastante pontual”. Para ela, a expectativa pela divulgação de indicadores econômicos dos Estados Unidos pode ter gerado o aumento nas taxas. “No geral, quando olhamos os vértices médios e longos dos juros futuros, tivemos queda das taxas”, completa a especialista.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

CDB 230% do CDI

Destrave o seu acesso ao investimento que rende mais que o dobro da poupança e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Nos prefixados de 24 meses, a remuneração média saiu de 10,75% ao ano para 11,74%. A maior taxa para esse vencimento foi de 12,64% ao ano. Nos papéis de 12 meses, o avanço do juro médio foi de 0,48 ponto percentual, para 11,15%.

Já os prefixados de curto prazo, com vencimento em seis e três meses, tiveram quedas nas taxas, mantendo a tendência das últimas semanas. Os prefixados de três meses pagaram, em média, 11,51% no último levantamento, contra 11,53% na leitura anterior.

Nos cinco vencimentos levantados, todas as maiores taxas foram oferecidas pelo Banco Daycoval.

Continua depois da publicidade

Retornos de CDBs prefixados de 22 de novembro a 05 de dezembro
Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
3 PREFIXADO 11,30% 11,51% 11,63% 11 Banco Daycoval
6 PREFIXADO 10,55% 11,00% 11,35% 21 Banco Daycoval
12 PREFIXADO 10,05% 11,15% 12,57% 25 Banco Daycoval
24 PREFIXADO 9,85% 11,74% 12,64% 18 Banco Daycoval
36 PREFIXADO 10,34% 12,18% 13,15% 28 Banco Daycoval

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, ou seja, não consideram o Imposto de Renda.

CBDs pós-fixados

Nos CDBs com taxas pós-fixadas, a tendência de queda de juros teve sequência, com recuo na média de todos os vencimentos. Mesmo assim, para Renosto, “ainda faz sentido investir em pós-fixados, principalmente em papéis que oferecem retorno acima do CDI”. Para ela, é importante buscar outros indexadores, mas “não é o momento de deixar totalmente de lado os pós-fixados”.

O maior retorno médio dos CDBs atrelados ao CDI foi oferecido pelos papéis com vencimento em pelo menos 36 meses, que pagaram 101,78% do CDI nas últimas duas semanas, ante 102,05% no levantamento anterior.

A rentabilidade média dos pós-fixados de 24 meses caiu de 100,65% do CDI para 99,95%, enquanto a dos papéis de seis meses recuou de 100,89% para 100,26%.

O número de emissões de pós-fixados subiu de 188 para 211 nas últimas duas semanas.

Retornos de CDBs indexados ao CDI de 22 de novembro a 05 de dezembro
Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
3 %CDI 97,00% 100,43% 105,00% 30 Banco PAN
6 %CDI 97,50% 100,26% 130,00% 27 Banco Master de Investimento
12 %CDI 90,00% 100,84% 112,00% 56 BR Partners Banco de Investimento
24 %CDI 92,00% 99,95% 112,50% 50 Banco BMG
36 %CDI 100,00% 101,78% 111,00% 48 Banco Mercantil do Brasil

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, ou seja, não consideram o Imposto de Renda.

CDBs de inflação

Nos papéis ligados ao IPCA, a tendência de queda nos vencimentos mais longos e avanço nos títulos curtos se manteve.

O juro real médio dos títulos com vencimento em 24 meses subiu de 5,41% para 5,84%. A maior taxa foi de 6,05% ao ano, além da variação do IPCA.

Já nos papéis para 36 meses, a taxa média recuou de 6,11% para 6,06%, com a maior rentabilidade, oferecida pelo Haitong Brasil, de 6,30%.

O número de emissões de CDBs de inflação dobrou, de 22 para 44.

Retornos de CDBs indexados à inflação de 22 de novembro a 05 de dezembro
Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
24 IPCA 5,20% 5,84% 6,05% 17 Haitong Banco de Investimento do Brasil
36 IPCA 5,10% 6,06% 6,30% 27 Haitong Banco de Investimento do Brasil

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, ou seja, não consideram o Imposto de Renda.