Conteúdo editorial apoiado por

Sinal dos tempos: ETF de renda fixa dos EUA é o primeiro da história a atingir US$ 100 bi de patrimônio

Captação no ano supera os US$ 15 bilhões

Bloomberg

Publicidade

Um ETF (fundo de índice) americano ultrapassou pela primeira vez desde que esses produtos foram lançados, há mais de duas décadas, a casa dos US$ 100 bilhões em patrimônio – e ele investe em ativos de renda fixa, algo que até pouco tempo não era atrativo nos Estados Unidos.

Um aporte de US$ 14 milhões na semana passada elevou os ativos do ETF Vanguard Total Bond Market (BND) para acima de US$ 100 bilhões pela primeira vez, mostram dados compilados pela Bloomberg. O BND captou US$ 15,6 bilhões até aqui neste ano.

O marco combina duas das maiores tendências de 2023: os rendimentos mais elevados dos últimos anos trouxeram mais apelo à renda fixa, enquanto os ETF de custo relativamente baixo e eficientes em termos fiscais roubaram consistentemente participações de mercado dos seus “irmãos”, os fundos mútuos.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“É provável que uma grande parte dos fluxos venha também de fundos mútuos, como fonte de crescimento”, disse Todd Sohn, estrategista técnico da Strategas Securities, acrescentando que desde o aumento da taxa de juros, em março de 2022, até o mês passado, os fundos mútuos de renda fixa perderam US$ 500 bilhões.

A marca alcançada pelo BND ocorre em meio a um ano turbulento para a renda fixa. A inflação persistente e a campanha do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) para a acalmar a inflação desencadearam volatilidade em todas as classes de ativos, fazendo com que os rendimentos dos títulos do Tesouro dos EUA (os Treasuries) disparassem para máximos de mais de uma década.

A crescente convicção de que o BC atingiu o fim do seu ciclo de aperto desencadeou uma forte recuperação dos títulos no último mês. Ao mesmo tempo, o BND – que cobra 0,03% ao ano de taxa de administração – tem recebido aportes de forma constante ao longo de 2023.

“Não é surpreendente que quando você oferece 18 mil títulos (de renda fixa) por três pontos-base [de custo], terá captações à prova de crises”, disse Eric Balchunas, analista sênior de ETFs da Bloomberg Intelligence. “Isso é dinheiro que vem faça chuva ou faça sol, porque é um bom negócio.”

Leia mais:

Este ano, os investimentos foram realizados em ETFs de títulos de todos os tipos, à medida que os investidores recalibram continuamente as expectativas tanto para decisões do Fed como para o ritmo da economia, em um contexto de mercado de trabalho ainda forte e de crescimento econômico robusto. O ETF iShares 20+ Year Treasury Bond (TLT), que tem US$ 46 bilhões de patrimônio, foi o maior beneficiário dessa especulação, atraindo quase US$ 23 bilhões em 2023.

O BND, que acompanha desde títulos do Tesouro ao crédito privado e ativos securitizados, teve um desempenho melhor. O fundo de índice teve um retorno total ade 2,4% até agora em 2023 e não registra saídas mensais desde maio de 2022.

Embora o BND tenha sido o primeiro ETF de títulos a ultrapassar a casa de US$ 100 bilhões, o produto rival da BlackRock, o iShares Core U.S. Aggregate Bond ETF (AGG), está logo atrás. A AGG, que também possui um amplo leque de títulos de dívida e cobra 0,03% anuais de taxa de administração, acumulou cerca de US$ 96 bilhões em ativos no período.

No entanto, a base de clientes provenientes de assessores de investimento e clientes de varejo da Vanguard é conhecida por suas alocações constantes, mesmo em ambientes de mercado difíceis, de acordo com Sohn da Strategas. “A Vanguard é mestre em ‘permanecer investida’, então talvez não seja surpresa que o BND obtenha a marca primeiro, mesmo que a classe de ativos tenha sofrido uma grande queda”, disse Sohn.

© 2023 Bloomberg L.P.

Leia também: