Em onde-investir / renda-fixa

Brasileiro prefere segurança à rentabilidade na hora de investir

Pesquisa realizada pela Anbima mostra que 88% dos poupadores só confiam na caderneta de poupança quando o assunto é investimentos

Investidor confuso
(Shutterstock)

SÃO PAULO - Segurança é o requisito número um dos brasileiros na hora de escolher uma aplicação financeira. Segundo a pesquisa “Raio X do Investidor Brasileiro”, elaborada anualmente pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais), com apoio do Datafolha, 48% dos brasileiros preferem a possibilidade de constituir uma reserva financeira sem riscos a ter um bom retorno financeiro.

Apesar de o número ter ficado abaixo dos 54% apresentados no levantamento anterior, referente a 2017, os dados ainda são altos e justificam em grande parte a preferência da maioria dos brasileiros (88%) pela caderneta de poupança, conforme a pesquisa.

Citada por conta da facilidade de aplicação e imagem/marca atrelada ao produto, a poupança é um dos investimentos menos rentáveis do Brasil no cenário atual, justamente por pagar apenas 70% da Selic (que está em 6,5% ao ano) mais TR (Taxa Referencial - que tem sido praticamente igual a zero nos últimos meses).

No ano, a caderneta rende 1,51%, ante 1,56% do CDI. Conforme o prazo aumenta, a diferença cresce, o que é significativo, dado que o brasileiro costuma deixar os recursos aplicados na poupança por 11 anos, em média.

Em 12 meses, a caderneta tem retorno de 6,17%, ante variação de 6,37% do CDI e, em 24 meses, a diferença cresce para 13,07% para 15,32%. Como a "queridinha" dos brasileiros é isenta de Imposto de Renda, a desvantagem de rentabilidade desponta de forma mais representativa a partir de prazos de dois anos, quando a alíquota que recai sobre aplicações de renda fixa passa a ser de 15% ao ano.

A questão, porém, parece não ser tão relevante para esses poupadores, dado que apenas 5% dos entrevistados mencionaram o retorno como uma característica do investimento.

Com larga distância da poupança está o segundo produto mais demandado pelos investidores: a previdência privada (com 6% das escolhas), em pauta principalmente por conta das discussões sobre a reforma previdenciária.

Em terceiro lugar aparecem os títulos privados (como debêntures, CDBs, LCIs e LCAs), com 5%, seguidos pelos fundos de investimento, com 4%. As duas categorias de investimentos possuem maior predominância entre as classes mais altas (A e B).

Promessas de ano novo

Apesar de 22% dos brasileiros terem declarado em 2017 intenção de investir em produtos financeiros, apenas 8% realmente cumpriram com a promessa. Além da crise econômica e do agravamento do desemprego, a Anbima cita a falta de conhecimento sobre os produtos, como características e rentabilidades.

O percentual de brasileiros que afirmaram ter dinheiro aplicado em algum produto financeiro em 2018 seguiu baixo, em 42%.

Da mesma forma, o total de entrevistados que conseguiram economizar algum dinheiro foi de apenas 33%, ante os 32% de 2017. A maior parte (71%) daqueles que conseguiram atribuíram a conquista a corte de gastos ou pesquisas de preços.

Saia da poupança e faça seu dinheiro render mais: abra uma conta gratuita na XP

Já as pessoas que conseguiram fazer sobrar recursos economizando propriamente, seja guardando uma parte do dinheiro todo mês ou reservando uma fatia do salário, representaram apenas 13% das respostas, ante as 25% de 2017.

Metodologia

Elaborada entre os dias 5 e 14 de novembro de 2018, a pesquisa contou com a participação de 3.452 pessoas entrevistadas em todo o Brasil, em 152 municípios. As entrevistas foram feitas com pessoas com mais de 16 anos, das classes A, B e C, economicamente ativas, que vivem de renda ou aposentadas. A margem de erro máxima é de dois pontos percentuais para mais ou para menos, com nível de confiança de 95%.

 

Contato