Títulos públicos prefixados entram com força nas recomendações de junho; veja os mais indicados

Itaú BBA não vê espaço para queda da Selic neste mês e espera ritmo lento de desinflação

Leonardo Guimarães

Ações em alta

Publicidade

Os títulos públicos prefixados de curto prazo ganharam espaço nas carteiras recomendadas em junho. Os analistas querem fugir de um cenário “incerto” mais adiante e apostam em títulos menos sensíveis às taxas de juros.

Na carteira do Itaú BBA, o Tesouro Prefixado 2026 ganhou mais protagonismo e seu peso na composição passou de 10% para 35%. Na XP, a escolha foi o Tesouro Prefixado 2025, disponível somente no mercado secundário.

A intenção por trás das recomendações é fugir de turbulências e ter em mãos títulos menos voláteis. Isso porque os prefixados longos são mais sensíveis à curva de juros – quando a expectativa do mercado para a Selic muda, a rentabilidade desses títulos tende a ter variações mais drásticas.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Em relatório, a XP cita “cenário incerto para além de 2026” para justificar a escolha. “Optamos por títulos relativamente mais curtos, diante do cenário particularmente incerto para além de 2025 e 2026”, diz relatório assinado por Camilla Dolle, Mayara Rodrigues e Natalia Moura.

Já o Itaú diz esperar desaceleração na inflação, mas em ritmo lento daqui para frente. Para Lucas Queiroz, estrategista de renda fixa para pessoa física do banco, o IPCA acumulado nos últimos 12 meses – de 3,94% até maio – tem pouco espaço para apresentar melhoras no curto prazo. “Nossa expectativa é de inflação acima de 5% para este ano e de 4,5% para 2024”, diz

Além dos 35% de prefixado, a carteira do Itaú BBA ainda é formada pelo Tesouro Selic 2026 e pelo Tesouro IPCA+ 2035, ambos disponíveis para compra no Tesouro Direto.

Continua depois da publicidade

Confira a carteira recomendada de títulos públicos do Itaú BBA para junho: 

Título Peso
Tesouro Selic 2026 50%
Tesouro Prefixado 2026 35%
Tesouro IPCA+ 2035 15%

Tesouro IPCA+ 2035, a unanimidade

Nas recomendações de Itaú BBA, XP e Santander, o Tesouro IPCA+ 2035 é unanimidade. É, aliás, o único título público recomendado pelo Santander para investimento em junho.

“Se os ventos domésticos se provarem favoráveis para os ativos de risco (menor ruído pós-eleição, inflação convergindo à meta no médio prazo e promessas de responsabilidade fiscal em 2023-2024), podemos ver um menor prêmio de risco para os títulos públicos reais, favorecendo a marcação a mercado dos mesmos”, justifica relatório do Santander assinado por Ricardo Peretti e Alice Corrêa.

Em tempos de incerteza, a característica defensiva dos títulos de inflação também é bem vista: “Caso a percepção de risco piore e o dólar volte a se valorizar, a proteção contra a inflação do título recomendado exercerá sua função”, completa o relatório do Santander.

A XP também destaca a proteção contra a inflação, “especialmente considerando a imprevisibilidade em relação à sua trajetória em prazos mais longos”.

Pós-fixado ainda é vantajoso

Assim como na carteira do Itaú, o pós-fixado atrelado à Selic aparece nas recomendações da XP. A indicação é usar o título para reserva de emergência. “Nosso cenário-base é de que a taxa Selic encerre 2023 em 12,0%. Ou seja, os ativos pós-fixados devem continuar a se beneficiar do nível alto da taxa básica de juros”, diz relatório.

Ao contrário do observado no Itaú BBA, a carteira de renda fixa da XP não indica um peso para os ativos.

Confira a lista completa de títulos públicos recomendados pela XP em junho: 

Título Onde comprar
Tesouro Selic 2026 Tesouro Direto
Tesouro Prefixado 2025 Mercado secundário
Tesouro IPCA+ 2035 Tesouro Direto