Os livros e filmes que vão lhe ajudar a entender o mercado financeiro

O mercado financeiro, o dinheiro e o tempo são temas de milhares de livros e filmes que nos ajudam a melhorar nossa argúcia para interpretar o hoje, com um olho no futuro.

Equipe InfoMoney

Publicidade

  Texto de Tiago e Silva Couto, planejador financeiro pessoal com certificação CFP®(Certified Financial Planner), concedida pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros. Tiago é advogado e economista, sócio da Bahia Partners Agentes Autônomos de Investimentos.

 Estava em casa assistindo com meu filho um clássico dos anos 80, De Volta Para o Futuro Parte II, trilogia que fez parte de minha infância e que até hoje me diverte. Em poucas palavras, Marty McFly e Doc viajam no tempo para mudar um fato envolvendo o filho de Marty quando, o vilão Biff no futuro de 2015 (por sinal, ano que vem) rouba a máquina do tempo, volta ao passado (1955) e entrega ao seu eu do passado os resultados esportivos de 50 anos. Partindo desse novo fato, o vilão de 1955 inicia uma vencedora e meteórica carreira de apostador, muda o futuro, e alcança uma fortuna inestimável.

Você deve estar se perguntando e o que esse filme tem a ver com mercado financeiro? Ora, tudo. No mercado financeiro, o tempo é o senhor das decisões de investimentos. Tudo gira de acordo com o timming e a assertividade de suas decisões. Quantos operadores poderiam fazer fortunas com base em fatos futuros certo? Temos, diariamente, a oportunidade de ganhar ou perder, baseando-nos em premissas que irão se materializar ou não.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Lembro-me de fatos passados, que hoje eram sinais claros e óbvios. Em 2004, comprei meu primeiro IPOD – fiquei deslumbrado com a possibilidade de ter muitas músicas num pequeno aparelho – naquela época, a Apple valia meros USD 7B. Hoje, 10 anos depois, a empresa lançou não apenas o IPOD, como o Iphone, IPAD, dentre outras novidades e seu valor de mercado supera os USD 600B. Vai me dizer que você não gostaria de voltar no tempo e avisar ao seu eu do passado, compre Apple, você certamente um dia terá alguma relação comercial com ela? Ou o que dizer do nosso amigo brasileiro que lá trás, apostou no colega de faculdade e o financiou na criação do Facebook? Começo a desconfiar que essa turma deve ser amiga do Marty McFly e Doc.

De qualquer forma, o mercado financeiro, o dinheiro e o tempo são temas de milhares de livros e filmes que nos ajudam a melhorar nossa argúcia para interpretar o hoje, com um olho no futuro. Em minha biblioteca sobre esses temas, recomendo dois livros que são de grande valia. Não vou entrar nos livros didáticos, pois ai teria que citar autores da estirpe de John Hull, Graham/Dodd ou Fabozzi. Vou me ater a dois livros que até hoje marcam minha vida e sempre me pego relendo-os. O primeiro é do Ivan Sant´anna, “Os mercadores da noite” (BM&F, 1996; Rocco, 1997; Sextante, 2008). Tive contato com esse livro quando morava e estudava em NY, e fui visitar o escritório da BMFBOVESPA e ganhei de presente. Foi uma leitura agradabilíssima. Não vou contar mais para não estragar a história. O outro livro, que faz parte do meu currículo de leituras do mercado financeiro é Memórias de um Operador da Bolsa de Edwin Lefevre, que narra as peripécias de Jesse Livermore. Recomendo fortemente a leitura desses dois. Existem outros muito bons também, como os do Taleb ou Axioma de Zurique, mas comece pelo do Ivan Sant´Anna e o do Jesse Livermore.

Em relação aos filmes sobre mercado financeiro, apesar de todos retratarem o lado ruim, com as fraudes e erros, gosto do imbatível Lobo de Wall Street. Tem o livro também, mas aí você não terá a chance de ver a gostosíssima duquesa, mulher de Jordan Belford, interpretada pela bela atriz Margot Robbie, a qual, diga-se de passagem, é bem melhor no filme que na vida real.

Continua depois da publicidade

Há ainda outros bons filmes sobre mercado financeiro, clássicos como Wall Street, com Michael Douglas e Charlie Sheen e O Primeiro Milhão com Bem Affleck e Vin Diesel. Aqui no escritório sempre lembramos alguns bordões de tais filmes em nossas conversas diárias.

De qualquer sorte, temos outros exemplos de filmes que avisam sobre o perigo da alavancagem como “Rogue Trader” (A Fraude), em que na história real Nick Leeson quebra o Banco Barings, ao peitar o mercado numa posição errada em índice futuro e perder mais de USD 1 B. Sempre penso nesse filme quando vejo alguém aumentar uma posição perdedora fazendo preço médio, ou no jargão do mercado, mérdio. Inclusive, o fato real é que tudo começou com uma perda pequena, ele foi aumentando, conseguiu zerar o prejuízo, ficou ganancioso e no final a trolha entrou. Bom filme para quem gosta de alavancagens.

Por fim, temos os filmes que falam sobre a crise de 2008, como “Too Big to Fail”, “Margin Call”, “The Flaw”, “Inside Job” ou até mesmo o documentário de Michael More “Capitalism a Love Story”. Todos falam dos erros cometidos pelo mercado, demonizando o setor.

No Brasil temos também o divertido “Até que a Sorte nos Separe”, que retrata bem a falta de cultura do brasileiro ao cuidar do seu dinheiro.

Por fim, tem um documentário que envolve o caso Enron (“Enron: The Smartest Guys in the Room”), que retrata os fatos que causaram a sua quebra, destruindo a poupança de muitos acionistas, em razão de erros, fraudes e corrupção. Será que algum roteirista no Brasil queira seguir esse exemplo e usar como inspiração alguns casos no Brasil? Temos hoje temas que serviriam de base para ótimos filmes e documentários. Fica a sugestão de alguns temas como a ascensão e o colapso da OGX e Eike, por exemplo, ou o caso da compra de Pasadena, e até mesmo a biografia de Naji Nahas. Certamente, a bilheteria seria ótima e ajudaria mais a população a entender o mercado financeiro.

Eu, particularmente, depois de todos esses filmes, penso que muitos ainda devam assistir mais ao meu querido “De volta para o Futuro”, e sonhar com a possibilidade de saber o futuro antes. Cada vez mais, o tempo me ensina que no Brasil, a fabulosa máquina do tempo de Marty McFly e Doc roda por aí e alguns compram, como num passe de mágica e intuição da falecida Mãe Diná, opções de petro antes de anúncio de reajuste de combustível faturando alto ou até mesmo vendem a descoberto OGX sabendo que os poços furados eram na verdade verdadeiras furadas…

O texto reflete as opiniões do autor. O Infomoney não se responsabiliza pelas informações acima ou por prejuízos de qualquer natureza em decorrência do uso destas informações.

Gostou das explicações? Tem mais dúvidas sobre investimentos e planejamento financeiro? Mande um e-mail para o Tiago: tiago@bahiapartners.com.br