Em onde-investir

Qual a diferença entre ações ON e PN para o pequeno investidor?

Quem investe nas PNs tem preferência na distribuição de dividendos, enquanto quem possui papéis ON tem direito a voto

SÃO PAULO - Você provavelmente já deve ter reparado nas siglas ON e PN que acompanham os papéis das companhias brasileiras de capital aberto. O que muitos investidores não sabem é exatamente o que elas significam e qual a diferença entre optar por uma ação ON (ordinária) ou PN (preferencial).

O analista econômico da Wintrade, José Góes, aponta que uma das principais diferenças entre as ações preferenciais e as ordinárias é que para os detentores da primeira, existe uma preferência na distribuição de dividendos, enquanto quem possui papéis ON tem direito a voto nas assembleias.

O coaching de investimentos e diretor da Trader Brasil Escola de Investidores, Alan Soares, concorda, mas ressalta que no caso dos pequenos investidores, a decisão de voto é bastante limitada. “Se o acionista tiver um lote de 100 ações por exemplo, seu voto vai ser irrelevante”, aponta.

Entretanto, mesmo que o acionista minoritário não tenha decisão de voto relevante na empresa, aqueles que possuem ações ordinárias têm um benefício a mais. É o chamado "tag along".

Mudança de controle acionário
Com o tag along, em caso de mudança no controle acionário da empresa, a companhia que está comprando a parte pertencente ao  bloco controlador é obrigada a fazer uma oferta pública de aquisição das ações ordinárias pertencente aos minoritários de, no mínimo, 80% do valor pago pela aquisição das ações do grupo controlador.

Para exemplificar: uma empresa possui suas ações ON distribuídas da seguinte forma: 51% entre o grupo dos controladores, 25% para um fundo de investimentos e os 24% restantes para os acionistas minoritários, ou seja, os investidores que negociam diariamente na Bolsa de Valores.

Se uma segunda companhia quiser adquirir esta empresa ela vai precisar, além de fazer uma oferta para o grupo controlador (que detém aqueles 51%), oferecer aos minoritários a compra de suas ações por pelo menos 80% do valor proposto para os controladores.

“Por isso, em caso de mudança de controle acionário, vemos as ações ON se valorizando muito acima das ações PN”, aponta Soares.

Em alguns casos, o tag along também pode se estender para as ações preferenciais e também pode ser maior do que 80%. “Isso vai depender do estatuto de cada empresa. Pela lei, apenas as ações ON têm direito e o percentual é de 80%. Mas podem ter exceções”, aponta Góes.

Dividendos
Uma das maiores vantagens de comprar ações preferenciais é obter a preferência no recebimento dos dividendos da empresa. Pela lei, os investidores que possuem ações preferenciais têm direito a receber dividendos no mínimo dez por cento maiores do que o valor por ação pago àqueles que possuem ações ordinárias.

“Por isso, para quem opera com uma carteira baseada em dividendos, visando o longo prazo, comprar ações preferenciais pode ser uma boa alternativa”, diz Soares.

Melhor opção
Para o diretor da Trader Brasil, não tem como especificar qual é o melhor tipo de ação para ser negociada. “Cada uma tem sua característica e é importante que o investidor saiba quais são, para tomar a decisão de compra”, diz.

Já para José Góes, de uma maneira geral, as ações ON são mais indicadas. “Quando você compra ações ordinárias, está junto com o bloco controlador da empresa”, diz o analista.

Mas, ele lembra que é sempre importante analisar as regras de governança corporativa de cada companhia, que definem os direitos do acionistas, já que em alguns casos as ações PN podem ter os mesmos benefícios das ON e vice-versa.

Outro fator a ser considerado é a liquidez, já que muitas vezes as ações preferenciais são mais líquidas (mais negociadas na bolsa). “A liquidez também precisa ser analisada, pois, em alguns casos, você pode comprar um papel e ser penalizado pela baixa negociação, ou seja, não conseguir vender no momento em que deseja”, ressalta Góes.

 

Contato