Conteúdo editorial apoiado por

Liga do Super Bowl prepara gramado para entrada do private equity

As outras principais ligas esportivas dos EUA já abriram as portas para esses investidores, mas a mais popular do país resistiu - mas tudo pode mudar este ano

Bloomberg

(Divulgação/NFL)

Publicidade

Aos nove anos, Virginia McCaskey presenciou seu primeiro jogo de playoffs da NFL no Chicago Stadium, em dezembro de 1932. O time do seu pai, George “Papa Bear” Halas, o Chicago Bears, venceu os Spartans de Portsmouth, Ohio, por 9 a 0, conquistando o título da liga, que na época tinha 12 anos.

Devido a uma tempestade de neve, o jogo, que é o precursor do atual campeonato conhecido como Super Bowl, foi realizado em um local fechado. Cerca de 11 mil pessoas assistiram à partida em um campo de 60 metros, que foi montado com terra e esterco remanescentes de um circo itinerante. Dois anos depois, os Spartans foram comprados por um proprietário de uma estação de rádio por US$ 7.952,08 (equivalente a cerca de US$ 180.000 hoje) e transferidos para Detroit, onde agora são conhecidos como os Lions.

Atualmente, aos 101 anos, McCaskey é a proprietária dos Bears. Antes de falecer em 1983, seu pai elaborou um plano para transferir a equipe para McCaskey, sua única filha viva, sem sobrecarregá-la com impostos pesados. Halas dividiu os 49,35% dos Bears que possuía igualmente entre seus 13 netos, usando um conjunto de trustes. O poder de voto sobre essas ações foi para McCaskey, que já possuía cerca de 20% da equipe. Desde então, McCaskey teve 11 filhos, 21 netos, 35 bisnetos e quatro tataranetos.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os Bears são parte de um gigante da mídia norte-americana. A Liga Nacional de Futebol foi responsável por 93 das 100 transmissões esportivas mais assistidas na TV no ano passado e gerou quase US$ 20 bilhões em receita. A equipe de McCaskey, por si só, vale US$ 6 bilhões, segundo as últimas estimativas da mídia esportiva, e em toda a liga, as avaliações médias das franquias aumentaram 69% entre 2020 e 2023.

Esse crescimento beneficiou os proprietários de times da NFL, mas também criou desafios no planejamento da sucessão em uma liga que valoriza a família e a tradição – e que, agora, pode abrir portas para investidores.

Em setembro, a NFL formou um comitê especial de cinco proprietários para considerar o fim de um bloqueio aos fundos de private equity. As outras principais ligas esportivas dos EUA já abriram as portas para esses investidores, mas a mais popular do país resistiu.

Clark Hunt, co-proprietário e presidente do Kansas City Chiefs, que enfrentará o San Francisco 49ers no Super Bowl LVIII em Las Vegas neste domingo (11), disse em uma entrevista que a liga tem sido observada enquanto outros esportes mergulham em private equity.

“Acho que é um caminho que pode ser útil do ponto de vista de capital”, disse Hunt, que também é presidente do comitê financeiro da NFL, membro do painel que analisa as regras de private equity e filho do fundador do Chiefs, Lamar Hunt.

A aprovação do plano de private equity deverá ocorrer na reunião anual da liga no próximo mês, segundo pessoas familiarizadas com o processo. A NFL optou por não comentar.

Campo fértil

A abertura para o private equity provavelmente resultará em uma série de negócios em pouco tempo, com seis a oito times potencialmente vendendo participações minoritárias dentro de um ano, de acordo com um executivo de um time da NFL que preferiu não ser identificado porque não está autorizado a falar publicamente sobre o assunto.

Para a NFL, permitir a entrada de novos investidores como uma forma de ajudar as equipes a captar recursos e oferecer aos sócios minoritários seria uma maneira de liquidar seus investimentos. “Para ilustrar, o custo de construção e reforma de estádios tem aumentado rapidamente”, disse Hunt, dono do Chiefs, “e ter a possibilidade de acesso a capital externo para auxiliar em projetos como esse seria vantajoso”.

A entrada de mais investidores externos alteraria a natureza da liga. Historicamente, os sócios minoritários têm sido amigos dos proprietários, ex-jogadores, celebridades locais e outros que veem o investimento como algo além de uma classe de ativos alternativa para seu portfólio. Os investidores de private equity intensificariam o trabalho por aumento das receitas – e para que as equipes fossem vendidas a preços cada vez mais altos.

Por décadas, a NFL exigiu que uma única pessoa detivesse pelo menos 51% de cada equipe. Esse número foi reduzido para 30% em 1985, após HR “Bum” Bright liderar um grupo que comprou o Dallas Cowboys por US$ 85 milhões. A NFL limita os grupos de propriedade a no máximo 25 pessoas.

Nos últimos 20 anos, a liga tem constantemente reduzido a exigência de 30% para os principais proprietários que mantêm suas equipes por pelo menos dez anos e mantêm pelo menos 30% na família para 1% até 2022. Isso permitiu que os proprietários transferissem suas equipes para os membros da família enquanto ainda estão vivos e reduzissem as contas do imposto sobre heranças.

“Se um proprietário ainda deseja manter o controle, mas quer fazer algum planejamento, ele pode transferir parte dos interesses para um fundo irrevogável, por meio de uma parceria ou de uma LLC”, disse Caroline McKay, estrategista sênior de patrimônio da CIBC Private Wealth. Isso reduz o tamanho do patrimônio e ajuda a diminuir o valor do ativo subjacente, uma vez que as participações minoritárias tendem a ser vendidas com desconto em relação às ações de controle.

Quando Virginia McCaskey falecer, os Bears terão que redistribuir sua participação de 20% e seu poder de voto. Seus filhos sobreviventes provavelmente receberão, cada um, uma participação no valor de centenas de milhões. O plano dos Bears, de acordo com Ganis, colocaria a equipe sob o controle do oitavo filho mais velho de Virgínia, George H. McCaskey, que atualmente atua como presidente.

© 2024 Bloomberg L.P.

Newsletter

Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?

Inscreva-se na newsletter do InfoMoney para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.