Itambé vai desocupar galpão alugado de FII em SP; veja impacto para o fundo

E mais: preço justo dos imóveis do FII HGLG11 é elevado em 4%; GALG11 também finaliza reavaliação

Wellington Carvalho

Publicidade

A Itambé Alimentos manifestou a intenção de desocupar galpão que ocupa em Pirituba, zona norte de São Paulo (SP). O espaço faz parte do portfólio do FII Suno Log (SNLG11), que confirmou a informação em fato relevante.

A empresa ocuparia o espaço até junho de 2024, mas decidiu interromper o vínculo comercial com o fundo a partir do dia 29 de janeiro. A data de entrega do imóvel está prevista para o final de março do ano que vem.

“Com a efetiva entrega do imóvel, a taxa de vacância financeira do portfólio passará a ser de 12,50%”, aponta documento divulgado ao mercado. “[Desta forma, está previsto um] um impacto negativo de R$ 0,11 por cota nas receitas mensais do fundo”, complementa o texto.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

A Itambé ocupa 100% do galpão de 8 mil metros quadrados que está em nome da S3 Logística Empreendimento, sociedade de propósito específico (SPE), de propriedade do SNLG11.

O portfólio do fundo é formado por seis imóveis localizados em São Paulo, Minas Gerais e no Rio de Janeiro. A área bruta locável (ABL) é de aproximadamente 89 mil metros quadrados.

O último rendimento distribuído pela carteira foi em julho, R$ 0,35 por cota. O montante representou um dividend yield (taxa de retorno com dividendos) de 0,99%.

Continua depois da publicidade

Em 12 meses, o SNLG11 acumula desvalorização de 36%, de acordo com a StatusInvest, plataforma de informações sobre o mercado financeiro.

Preço justo dos imóveis do FII HGLG11 é elevado em 4%; GALG11 também finaliza reavaliação

A reavaliação do patrimônio do FII CSHG Logística (HGLG11) elevou o preço considerado justo dos imóveis do fundo em 4,11%, aponta fato relevante divulgado pela carteira. ´

Com uma área bruta locável (ABL) de 1,4 milhão de metros quadrados, o fundo conta com 24 imóveis. A maior parte deles está localizada em São Paulo, região nobre para o segmento.

“Os espaços foram avaliados a mercado pela empresa Colliers Tecnichal Services, resultando em valor 4,11% superior aos valores contábeis dos referidos imóveis”, confirma comunicado do HGLG11 ao mercado. “[O percentual representa] variação positiva de aproximadamente 3,54% no valor patrimonial da cota do fundo com base no fechamento do dia 30 de novembro de 2023”, complementa o texto.

O Guardian Logística (GALG11) também realizou a reavaliação do patrimônio, que apontou aumento de 5,62% no valor contábil dos imóveis.

A variação, apurada pela Colliers International do Brasil, representa um aumento de 9,27% no valor patrimonial da cota do fundo – também considerando a cotação no final de novembro de 2023.

De acordo com a Instrução CVM 516/11, os fundos imobiliários são obrigados a realizar, pelo menos uma vez ao ano, a avaliação dos imóveis do portfólio. O procedimento serve para que o FII consiga estimar de forma profissional e atualizada o seu valor patrimonial – que representa a soma dos ativos menos suas obrigações financeiras.

Leia também:

Wellington Carvalho

Repórter de fundos imobiliários do InfoMoney. Acompanha as principais informações que influenciam no desempenho dos FIIs e do índice Ifix.