Fiagros pagam até 20% em dividendos e 17 fundos superam o CDI em 2023; veja ranking

Remuneração, em alguns casos, foi influenciada por queda no valor da cota

Ana Paula Ribeiro

Publicidade

Um grupo de Fiagros (fundos que investem nas cadeias produtivas do agronegócio) conseguiu remunerar os investidores em patamares superiores ao CDI em 2023, marcado pelo início dos cortes na Selic. Levantamento da Quantum Finance mostra que 17 carteiras pagaram acima do principal índice de referência da renda fixa no acumulado do ano – e a que mais distribuiu dividendos entregou retorno de 20,13%.

O estudo considera a distribuição de dividendos, que é isenta de Imposto de Renda (IR), de acordo com o dividend yield (relação entre o valor distribuído e o preço da cota) registrado de 1º de janeiro a 15 de dezembro. Em igual período, o CDI acumula alta de 12,6%.

O Fiagro com melhor dividend yield é o Galápagos Recebíveis do Agronegócio (GCRA11), com retorno de 20,13% aos seus cotistas. O fundo investe majoritariamente em certificados de recebíveis do agronegócio (CRA), estratégia predominante entre os Fiagros.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Os segundo e terceiro colocados do ranking também são Fiagros “de papel”: o Ecoagro (EGAF11), que rendeu 19,47% em dividendos; e o Valora CRA (VGIA11), que entregou 18,65% a cotistas no ano.

Confira os Fiagros que mais remuneraram investidores em 2023:

FiagroTickerDividend Yield
Galapagos Recebíveis do Agronegócio FIAGRO FIIGCRA1120,13%
Ecoagro I FIAGRO FIIEGAF1119,47%
Valora CRA FIAGRO FIIVGIA1118,65%
Ourinvest Innovation FIAGRO FIIOIAG1117,84%
Capitania Agro Strategies FIAGRO FIICPTR1117,06%
FG/Agro FIAGRO FIIFGAA1116,97%
Exes Araguaia FIAGRO FIIAGRX1116,69%
Devant FIAGRO FIIDCRA1116,16%
Az Quest Sole FIAGROAAZQ1116,07%
Leste FIAGRO FIILSAG1115,98%
NCH Recebíveis do Agronegócio FIAGRO FIINCRA1115,95%
XP Crédito Agrícola FIAGRO FIIXPCA1115,12%
Plural Crédito AgroPLCA1115,08%
Riza Agro FIAGRO FIIRZAG1114,92%
Vectis Datagro Crédito Agronegócio FIAGRO FIIVCRA1114,56%
JGP Crédito FIAGRO FIIJGPX1114,31%
BB FIAGRO FIIBBGO1112,81%
Kinea Crédito Agro FIAGRO FIIKNCA1112,59%
Suno FIAGRO FIISNAG1112,39%
Itaú Asset Rural FIAGRO FIIRURA1112,12%
High FIAGRO FIIHGAG113,14%
051 Agro FIAGRO FIIFZDA111,81%
Fonte: Quantum Finance

É importante lembrar que o dividend yield reflete o que foi pago a cada cotista, mas também o valor do papel, já que leva em conta a distribuição feita em relação ao preço da cota. Se a cota cai, a tendência é o dividend yield ficar maior – e esse efeito contribuiu para que os fundos da Galápagos e da Valora ganhassem posições na lista.

Continua depois da publicidade

Vitor Duarte, CIO da Suno Asset, lembra que alguns Fiagros tiveram queda de preço devido às notícias de inadimplência em alguns papéis do portfólio. Por outro lado, ressalta que esses produto seguem cumprindo um papel importante na diversificação das carteiras.

“Foi um ano desafiador para alguns Fiagros, mas muitos não passaram por problemas de inadimplência e queda no preço da cota. Há muitas opções que renderam acima do CDI e o produto é isento do Imposto de Renda”, defende.

Na avaliação de Duarte, para reduzir os riscos, o investidor deve priorizar os Fiagros em que há uma diversificação de produtores (diferentes culturas) e geográfica. Pelo momento marcado por eventos climáticos extremos, o especialista também recomenda que a carteira tenha presença de produtores que trabalham ou queiram investir em sistemas de irrigação, o que pode mitigar os efeitos de uma seca mais prolongada – mas reduzir dividendos.

“O Brasil é pouco irrigado e possui pouco armazenamento. Quando um produtor quer recursos para investir nisso, ele reduz o risco do fluxo de caixa”, conta.

Fiagros em 2024

Se atualmente os Fiagros que predominam o mercado são os de papel, a expectativa é que o amadurecimento do mercado faça com que outros tipos de Fiagro ganhem relevância – como os híbridos, criado em março de 2021, que investem tanto em crédito como em imóveis no campo.

“O instrumento é recente e demanda um amadurecimento do mercado para entender fluxos de caixa não tão previsíveis, como o de desenvolvimento de uma propriedade agrícola”, explica Bruno Santana, CEO da Kijani Investimentos.

Com a redução dos juros no ano que vem, a expectativa é que os Fiagros continuem com demanda. Santana explica que os papéis que fazem parte dessa carteira, em geral, pagam um spread sobre o CDI, o que deve se manter diante de uma Selic em queda.

Por outro lado, a Guide Investimentos lembra que fenômenos com o El Niño, que causa maior incidência de chuvas no sul e seca nas regiões Norte e Nordeste, podem afetar as safras agrícolas e, por essa razão, também indica as carteiras com maior diversificação de indexador, regiões e culturas. A preferência da casa é pelo Kinea Agro (KNCA11), que atende aos três requisitos; além dos fundos EGAF11 e VGIA11, apesar da concentração em ativos indexados ao CDI.

Ana Paula Ribeiro

Jornalista colaboradora do InfoMoney