Conteúdo editorial apoiado por

“Estou perplexo”: como Wall Street avalia montanha-russa nos mercados após fala de Powell

Ações americanas dispararam na quarta-feira, mas fecham semana devolvendo parte dos ganhos

Bloomberg

Publicidade

O presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos), Jerome Powell, confundiu especialistas em Wall Street nesta semana ao jogar gasolina nos mercados, empolgando agentes que já apostavam em uma guinada na política monetária.

Os preços de títulos e ações dispararam quando Powell deixou escapar, na quarta-feira (13), que os membros do Fed tinham discutido cortes nas taxas de juros, um sinal de que o comentário por si só – quer ele quisesse ou não – afrouxou ainda mais as condições financeiras.

O episódio foi lido como um risco para o objetivo do banco central americano de reduzir o ritmo de combate à inflação. Mesmo a tentativa do presidente do Fed de Nova Iorque, John Williams, de reduzir a euforia do mercado na sexta-feira (15), ao dizer que era demasiado cedo para discutir um corte nas taxas de juro em março, não conseguiu apagar a recuperação da semana.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

“Estou perplexo”, disse Sonal Desai, diretor de investimentos de renda fixa da Franklin Templeton, à Bloomberg, referindo-se aos comentários de Powell pós-reunião do Fed.

“Não está completamente claro por que motivo decidiu que era necessário acelerar a queda” das taxas, especialmente tendo em conta que já reconheceu, à medida que as taxas subiam, o papel do mercado na criação de condições financeiras apropriadamente mais restritivas, falou.

“Portanto, eu anteciparia que, se o Fed quisesse mostrar algum grau de cautela, poderia tentar conter um pouco a empolgação do mercado nas próximas semanas”, acrescentou Desai.

O índice de condições financeiras do Goldman Sachs – um indicador que incorpora variáveis como preços de ações, spreads de crédito, taxas de juros e de câmbio – caiu nesta semana e acumula recuo de mais de 1% desde o final de outubro, quando os rendimentos de títulos do Tesouro (Treasuries) disparavam.

O Fed divulgou na quarta-feira (13) projeções trimestrais de taxas que aumentaram o número de cortes de juros previstos para o próximo ano, em relação à atualização anterior em setembro. Desde então, os mercados e os bancos de Wall Street começaram a se preparar para cortes mais antecipados e mais rápidos em 2024.

Os contratos de swap vinculados às reuniões do Fed indicam cerca de 150 pontos base de cortes nas taxas em 2024, com cerca de 80% de probabilidade de começarem em março. Isso mesmo depois de Williams, que desempenha um papel fundamental na comunicação da política do banco central, ter dito à CNBC que era prematuro para as autoridades sequer pensarem numa redução em março.

Embora o rendimento do título do Tesouro dos EUA de dois anos, mais ligado às perspectivas de política monetária do Fed, tenha subido para a máxima da sessão imediatamente após o comentário de Williams, o movimento rapidamente foi revertido. O rendimento do papel voltou à estabilidade no dia, em cerca de 4,41% anuais, em vias de fechar a semana em queda em mais de 30 pontos base.

“É provável que alguma resistência em termos de prazos de corte das taxas venha dos membros do Fed, mas o fim dos aumentos das taxas e da próxima fase do ciclo ser caracterizada pela flexibilização monetária já estão dados”, avalia Chris Iggo , diretor de investimentos da AXA Investment Managers, em nota publicada na sexta-feira antes dos comentários de Williams. “Será difícil mudar a dinâmica do mercado.”

Newsletter

Quer aprender a investir – e lucrar – no exterior?

Inscreva-se na newsletter do InfoMoney para receber informações sobre tributação, procedimentos de envio e sugestões de alocação para seu dinheiro lá fora. É de graça!

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.