Ranking InfoMoney-Ibmec 2022

Em busca de resultado, melhores fundos imobiliários do ranking InfoMoney-Ibmec fogem de segmentos, regiões e projetos triviais

Os vencedores foram os fundos Hectare CE (HCTR11) na categoria “papel”, o VBI FoF (RVBI11) entre os FoFs e o Vinci Offices (VINO11) nos fundos de “tijolo”

Por  Wellington Carvalho -

Acreditar nas tendências de longo prazo, oferecer um produto diferenciado e buscar sempre algo a mais são algumas das estratégias que fizeram a diferença para os melhores fundos imobiliários na edição 2022 do ranking InfoMoney-Ibmec.

Os premiados foram conhecidos no último painel do Onde Investir 2022, evento online realizado pelo InfoMoney. Participaram do debate desta terça-feira (1) Eduardo Malheiros, sócio-diretor da Hectare, Ricardo Vieira, head de fundos de fundos da VBI, e Leandro Bousquet, head de Real Estate da Vinci.

O ranking InfoMoney-Ibmec reconheceu os fundos imobiliários que ofereceram os melhores resultados aos investidores nos últimos três anos. Os FIIs foram analisados de acordo com uma série de critérios de retorno e risco. Os vencedores foram Hectare CE (HCTR11), na categoria Fundo de “Papel”; o VBI FoF (RVBI11), na categoria Fundo de Fundos; e o Vinci Offices (VINO11), na categoria Fundo de “Tijolo”.

Para Bousquet, a escolha de um fundo de lajes corporativas – um dos segmentos que mais sofreram nos últimos anos – como destaque entre os fundos de “tijolo” reforça a importância do reconhecimento.

O gestor atribui o desempenho dos últimos três anos às “apostas” que o fundo fez em tendências de longo prazo que já têm se mostrado vitoriosas atualmente.

“Ao contrário da maioria dos fundos de escritórios, focamos na aquisição de prédios inteiros, e não somente em lajes”, explica. “Isso nos deu um maior controle sobre a gestão dos prédios que, na pandemia, se mostrou crucial para manutenção do desempenho do fundo”, relembra.

Bousquet aponta também o investimento na mudança de perfil dos escritórios, com espaços abertos e comunitários, em regiões próximas a áreas residenciais.

Segundo o gestor, as estratégias se mostraram valiosas durante a pandemia, que impôs restrições e mudanças de hábito dos trabalhadores. “Todas as tendências que apostávamos no longo prazo se aceleram absurdamente e o fundo acabou se beneficiando”, pontua.

De acordo com Bousquet, no pior período da pandemia, a taxa de vacância do fundo chegou no máximo a 8%. Hoje o índice está na casa dos 5%, afirma.

Em busca de “algo a mais”

Entre os fundos de “papel”, que investem em títulos de renda fixa e certificados de recebíveis imobiliários (CRI), o destaque ficou para o Hectare, representado por Eduardo Malheiros.

Ele reconhece que a elevação da inflação nos últimos anos beneficiou os fundos do segmento de uma forma geral. No entanto, o gestor afirma que a estratégia do Hectare trabalha sempre por algo a mais.

“Fazendo o que todo mundo faz, vamos ganhar o que todo mundo ganha. E pela teoria econômica, o que todo mundo ganha é o retorno mínimo da economia”, reflete.

No caso da inflação, o fundo optou por uma alocação de recursos mais rápida, ou seja, deixar pouco dinheiro em caixa. “Então a gente sempre esteve com inflação ‘mais muito’ rendendo nos nossos CRIs”, explica.

Malheiros diz, porém, que o “pulo do gato” da carteira foi apostar em regiões e projetos menos explorados. Atuando no segmento de loteamentos e multipropriedades, o fundo ostenta hoje presença em praticamente todo o País.

“Vamos em regiões para onde ninguém quer ir e para tipos de projetos que ninguém quer emprestar”, relata. “E o diferencial da estratégia é ter muita atenção nos detalhes e estar muito próximo destes projetos para não deixar a peteca cair”.

Representando o VBI FoF, vencedor na categoria fundos de fundos, Ricardo Vieira explica que o desempenho da carteira nos últimos anos tem muita relação com a estratégia adotada logo na concepção do fundo, em 2019.

Segundo ele, o objetivo VBI FoF era oferecer ao público um fundo de fundos que não fosse apenas um alocador de cotas negociadas na Bolsa. “A ideia era dar acesso a ativos que normalmente são restritos à pessoa física”, explica.

Atualmente, a carteira do VBI FoF tem 40% de participação de certificados de recebíveis imobiliários (CRI) e fundos imobiliários que não são negociados na B3. O restante do portfólio é formado por cotas de FIIs listados na Bolsa.

O equilíbrio, detalha Vieira, garantiu ao fundo um desempenho satisfatório em diferentes momentos do mercado.

“Em momentos de maior alta do mercado, aumentamos a posição em fundos imobiliários mais líquidos e, em momentos de maior risco para os FIIs, elevamos a participação dos ativos restritos, que oferecem maior segurança”, pontua o gestor.

Os desafios de 2022

Os gestores projetam um ano bastante desafiador para a renda variável, e consequentemente para os fundos imobiliários, em 2022. Entre os desafios, eles apontam a manutenção do ciclo de alta dos juros e o período eleitoral, que geralmente traz maior volatilidade para as cotações.

Apesar do cenário, eles manifestam confiança na sustentabilidade dos FIIs e veem oportunidades especialmente no segmento de lajes corporativas, bastante pressionado por causa da pandemia de Covid-19.

Durante três semanas, o Onde Investir 2022 reuniu importantes nomes do mercado financeiro em painéis diários. Promovido pelo InfoMoney, o evento online discutiu as melhores oportunidades e expectativas em diversas modalidades de investimento. A lista completa das lives está no canal do InfoMoney no Youtube.

Como viver de renda com FIIs
Receba um ebook gratuito que explica como montar uma carteira de Fundos Imobiliários para obter renda periódica:
Concordo que os dados pessoais fornecidos acima serão utilizados para envio de conteúdo informativo, analítico e publicitário sobre produtos, serviços e assuntos gerais, nos termos da Lei Geral de Proteção de Dados.
check_circle_outline Sua inscrição foi feita com sucesso.
error_outline Erro inesperado, tente novamente em instantes.
Compartilhe