De mudanças climáticas a temas sociais: os pilares da gestão de Ilan Goldfajn no BID

Ex-presidente do Banco Central reforçou a necessidade de respeito com a democracia e o estado de direito

Katherine Rivas

Ilan Goldfajn, presidente do BID (Imagem: Leo Albertino)

Publicidade

Temas sociais, combate à fome e desigualdade, integração regional – por meio de projetos de infraestrutura física ou digital –  e mudanças climáticas, estas são as prioridades que devem nortear o trabalho de Ilan Goldfajn, presidente do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e ex-presidente do Banco Central (BC), em 2023.

Ele apresentou a sua visão para enfrentar os problemas estruturais da América Latina e o Caribe no evento Onde Investir 2023, organizado pelo InfoMoney.  Entre os dias 16 de 19 de janeiro, o evento traz painéis sobre os mais diversos temas que influenciarão suas finanças e investimentos ao longo do ano. Clique aqui para se inscrever.

Goldfajn destacou os desafios que a América Latina e o Caribe enfrentam como consequências da pandemia do coronavírus e da guerra entre Rússia e Ucrânia, tais como choques inflacionários – com aumento nos preços de alimentos e combustíveis – além do crescimento da desigualdade e da fome.

Oferta Exclusiva

CDB 150% do CDI

Invista no CDB 150% do CDI da XP e ganhe um presente exclusivo do InfoMoney

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Na visão do presidente do BID, estes problemas também terão seus efeitos na educação das novas gerações e devem ser sentidos no longo prazo. Ele chamou a atenção para as dificuldades de financiamento para os países da região, por conta do aumento de juros a nível global.

Em relação a questões estruturais, Goldfajn aponta uma desafio tríplice, com problemas sociais, questões fiscais, além de produtividade e crescimento dos países. “Temos a necessidade de combater a pobreza, desigualdade, exigir serviços públicos melhores, em uma região onde nem sempre todos os países têm os recursos que precisam”, disse.

Na visão dele, para ter acesso a mais recursos é preciso estimular a produtividade e crescimento das economias, um problema de décadas, mas onde as instituições públicas terão um papel relevante.

Continua depois da publicidade

As prioridades do BID

Goldfajn detalhou as prioridades do Banco Interamericano de Desenvolvimento, entre estas financiar a proteção social dos países e combater as desigualdades de gênero e renda. Para o curto prazo, ele colocou como norte o combate à fome e insegurança alimentar.

Mudança climática também deve ser um dos pilares da gestão de Goldfajn, que mostrou seu compromisso com a redução do aquecimento global, índices de carbono e a importância da preservação da Amazônia, pontos que considera devem ser trabalhados com agilidade pelo BID.

Outro fator é o financiamento para desastres climáticos, muito comuns na região da América Central e o Caribe.

Goldfajn citou também a relevância da integração regional, com a promoção de projetos de infraestrutura física ou digital. O ex-presidente do Banco Central reforçou o seu compromisso com valores como a democracia e estado de direito nos países da região.

“Recentemente, nos posicionamentos no Brasil a favor da democracia, das instituições e do estado de direito. Esse é um valor que vamos manter no BID por mais tempo”, afirmou.

Katherine Rivas

Repórter de investimentos no InfoMoney, acompanha ETFs, BDRs, dividendos e previdência privada.