CDB hoje: taxas seguem direções mistas e pós-fixados pagam até 116% do CDI

Para especialista, o cenário atual é propício para pós-fixados em investimentos de curto prazo e CDBs de inflação nas aplicações mais longas

Leonardo Guimarães

Publicidade

As taxas de CDBs (Certificados de Depósitos Bancários) tiveram movimentos mistos no início de setembro, com papéis de curto e longo prazo seguindo em direções opostas. A variação da remuneração, no entanto, foi pequena, diante de indicadores de inflação e atividade econômica e pautas econômicas no Congresso Nacional sem grandes surpresas no período.

Um levantamento feito pela Quantum Finance a pedido do InfoMoney analisou 266 CDBs emitidos entre os dias 30 de agosto e 12 de setembro e mostrou que pós-fixados pagam até 116% do CDI. Na quinzena anterior, o retorno máximo era de 115,50%

A taxa média para ativos com vencimento em 12 meses – o mais representativo em número de emissões – caiu de 101,75% do CDI para 100,85%. Por outro lado, nos CDBs de 36 meses, a média de retorno subiu de 101,52% do CDI para 101,73% da taxa referencial.

Planilha Gratuita

Fuja dos ativos que rendem menos com essa ferramenta gratuita

Baixe a Calculadora de Renda Fixa do InfoMoney e compare a rentabilidade dos ativos

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ricardo Jorge, sócio da Quantzed, destaca que os pós-fixados são indicados para quem precisa de liquidez e encara os movimentos das taxas com normalidade: “é a característica sazonal do mercado de CDBs, que depende da necessidade de captação de cada instituição e do nível de concorrência”.

O estudo ainda mostrou que os papéis com vencimento em seis meses seguem pagando abaixo do CDI, com remuneração média de 99,96% da taxa, ante 99,87% na leitura anterior do levantamento.

Para João Bertelli, sócio da A7 Capital, os pós-fixados são indicados para o curto prazo: “mesmo com o CDI em queda, as taxas para alocações entre três e seis meses estão melhores do que os outros indexadores”.

Continua depois da publicidade

O número de emissões de CDBs pós-fixados caiu de 275 para 163.

Retornos de CDBs indexados ao CDI (30/ago a 12/set)
Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
3 %CDI 83,00% 99,34% 104,50% 19 China Construction Bank Brasil, Banco Múltiplo
6 %CDI 97,50% 99,96% 107,00% 25 Paraná Banco
12 %CDI 90,00% 100,85% 116,00% 51 Zema Financeira
24 %CDI 98,00% 100,49% 107,00% 31 Banco ABC Brasil, Haitong Banco de Investimento do Brasil
36 %CDI 100,00% 101,73% 116,00% 37 Banco Mercantil

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, ou seja, não consideram o Imposto de Renda

Leia também: 

CDBs atrelados à inflação

As taxas médias dos títulos de inflação seguiram direções mistas. Para papéis com vencimento em 2024, o retorno médio aumentou de 5,91% para 5,95%; já em 36 meses, a taxa média caiu de IPCA + 5,66% para 5,41%.

O levantamento da Quantum Finance mostrou que a taxa máxima dos CDBs de inflação teve alta de 6,35% para 6,45% em papéis com vencimento em 24 meses. Em 36 meses, a maior remuneração foi de 6,15% ante 6,10% no último levantamento. O Haitong Brasil foi o emissor dos CDBs mais rentáveis nos dois prazos.

A taxa mínima no prazo de 24 meses ficou estável em 4,60% e subiu de 4,30% para 4,45% nos papéis de 36 meses. O número de emissões de CDBs de inflação caiu para 43, contra 61 na quinzena anterior.

Bertelli, da A7 Capital, diz que “os CDBs de inflação são a melhor alocação para o longo prazo, já que é possível garantir rentabilidade acima da inflação”.

Retornos de CDBs indexados à inflação (30/ago a 12/set)
Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
24 IPCA 4,60% 5,95% 6,45% 35 Haitong Banco de Investimento do Brasil
36 IPCA 4,45% 5,41% 6,15% 8 Haitong Banco de Investimento do Brasil

Fonte: Quantum Finance. Obs: Os retornos são brutos, ou seja, não consideram o Imposto de Renda

Leia também: 

CDBs prefixados

Os juros dos títulos bancários prefixados mais longos contrariaram, na última quinzena, uma tendência de queda estabelecida há meses. A taxa média dos títulos de 24 meses avançou de 10,49% para 10,57%, enquanto a dos papéis para 36 meses subiu de 10,68% para 11,35%.

Nos vértices mais curtos, a tendência de queda foi mantida. A taxa média de papéis com vencimento em 12 meses recuou de 11,29% para 10,91% e o retorno dos prefixados de 6 meses caiu de 11,97% para 11,76%. Já os CDBs de três meses cederam de 12,59% para 12,43%.

Na leitura mais recente, o prefixado com maior rentabilidade (12,65%) foi emitido pelo Banco Daycoval. Foram emitidos 60 CDBs prefixados na última quinzena, 14 a menos que o número de emissões no período anterior.

Retornos de CDBs prefixados (30/ago a 12/set)
Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
3 PREFIXADO 12,15% 12,43% 12,65% 8 Banco Daycoval
6 PREFIXADO 11,35% 11,76% 12,31% 19 Banco Daycoval
12 PREFIXADO 10,45% 10,91% 11,55% 10 Haitong Banco de Investimento do Brasil
24 PREFIXADO 9,80% 10,57% 11,25% 13 Haitong Banco de Investimento do Brasil
36 PREFIXADO 10,37% 11,35% 11,85% 10 Haitong Banco de Investimento do Brasil