CDB hoje: queda generalizada leva taxa mínima dos prefixados para 11,40%; papéis curtos são exceção

Mercado pode ver última corrida dos investidores aos papéis bancários nos próximos meses, antes que as taxas despenquem

Mariana Segala

(Pixabay)

Publicidade

Uma queda generalizada da remuneração dos CDBs – ativos de renda fixa emitidos pelos bancos – marcou a última quinzena. As taxas dos papéis, tecnicamente chamados de Certificados de Depósito Bancário, refletem o recuo dos juros futuros nas últimas semanas, devido a fatores como o arrefecimento da inflação e a expectativa de cortes na taxa básica, a Selic.

A taxa mínima registrada nos CDBs prefixados emitidos entre 23 de maio e a última segunda-feira (5) chegou ao nível dos 11,40% ao ano, oferecida em papéis com vencimento em 24 meses, mostra levantamento quinzenal feito pela Quantum Finance, a pedido do InfoMoney. Na quinzena anterior, a remuneração mais baixa era de 11,93% – e em um papel mais longo, de 36 meses.

Também caíram as taxas máximas e médias dos CDB prefixados em praticamente todos os vencimentos. O papel mais rentável da amostra desta quinzena, com vencimento em seis meses e emitido pelo Daycoval, oferecia 14,30% ao ano. No levantamento anterior, CDBs do mesmo banco e de igual vencimento pagavam 14,35%.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

A exceção foram os papéis de curtíssimo prazo. CDBs com vencimento em três meses apresentaram leve avanço nas taxas mínima (13,50%) e média (13,77%) nos últimos 15 dias.

Confira os retornos brutos dos CDBs prefixados entre os dias 23 de maio e 5 de junho:

Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos considerados Emissor do título com maior taxa
3 Prefixado 13,50% 13,77% 14,05% 22 Daycoval
6 Prefixado 12,90% 13,80% 14,30% 41 Daycoval
12 Prefixado 12,15% 13,11% 13,60% 42 Daycoval
24 Prefixado 11,40% 11,95% 12,47% 16 BR Partners
36 Prefixado 11,55% 12,15% 12,59% 7 Daycoval

Fonte: Quantum Finance. Os retornos são brutos, sem descontar o Imposto de Renda.

Continua depois da publicidade

A esperança de que o Banco Central dê início ao ciclo de redução dos juros brasileiros é o pano de fundo desse desempenho. Gustavo Cruz, estrategista-chefe da RB Investimentos, lembra que embora a curva de juros futuros já esteja fechando – ou seja, caindo – há algumas semanas, os CDBs levaram algum tempo para espelhar o movimento.

“Isso teve a ver com uma necessidade de levantar recursos dos bancos. Mostravam taxas mais atrativas para conseguir fazer uma captação interessante, o que já deve ter normalizado”, diz. “E como a curva de juros continua caindo, a tendência é de vermos taxas menores de fato”.

Na última semana, os juros futuros recuaram em praticamente todos os vencimentos, impulsionados pela divulgação de alguns indicadores econômicos. “A deflação mais acentuada do IGP-M em maio aumentou as expectativas dos agentes do mercado acerca da queda da Selic e/ou de uma possível sinalização do Copom sobre quando isso poderá ocorrer”, indica relatório da XP, assinado Camilla Dolle, Mayara Rodrigues e Natalia Moura, analistas de renda fixa.

Nem a divulgação de um crescimento mais forte que o esperado do PIB do primeiro trimestre – o que poderia sugerir a necessidade de juros altos para desaquecer a economia – reverteu o movimento de queda da curva.

“O crescimento foi impulsionado por fatores de oferta, como o agronegócio. A resiliência da atividade econômica não deve atrapalhar a perspectiva de cortes de juros pelo Banco Central, ao mesmo tempo que um crescimento mais robusto adiante também melhoram as projeções fiscais, o que impulsiona a retirada de prêmio na ponta longa da curva”, ressalta o documento.

Confira abaixo a curva de juros registrada na última sexta-feira (2):

Fonte: XP

CDBs atrelados à inflação

Um movimento semelhante foi verificado entre os CDBs atrelados à inflação, que remuneram os investidores com uma taxa prefixadas mais a variação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

A parte prefixada do rendimento desses papéis também diminuiu nos prazos mais longos durante a última quinzena. Agora, a taxa mínima – oferecida por CDB com vencimento em 36 meses – é de 4,75% ao ano, contra 5,10% registrados na quinzena anterior.

Já os papéis mais curtos tiveram alta de até 1 ponto percentual, em relação ao levantamento passado. Há, no entanto, um ponto de atenção: a Quantum identificou apenas um CDB com vencimento em 12 meses (o menor do levantamento), emitido pelo ABC Brasil e pagando 7,35% ao ano.

Na quinzena entre 9 e 22 de maio, havia três papéis com esse vencimento. A taxa mínima era de 6,30%, a máxima era de 6,95% e a média, de 6,62% ao ano.

Confira os retornos brutos dos CDBs atrelados à inflação entre os dias 23 de maio e 5 de junho:

Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos considerados Emissor do título com maior taxa
12 IPCA 7,35% 7,35% 7,35% 1 ABC Brasil
24 IPCA 5,30% 5,58% 5,90% 5 ABC Brasil
36 IPCA 4,75% 6,36% 6,75% 65 Haitong

Fonte: Quantum Finance. Os retornos são brutos, sem descontar o Imposto de Renda.

Rodrigo Marcatti, sócio da Veedha Investimentos, diz que o movimento reflete a redução das projeções para a inflação. Grosso modo, a remuneração total de um papel atrelado à inflação – taxa de juros prefixada mais a variação do IPCA – é próxima da taxa de juros esperada para a época do seu vencimento.

“Se a inflação esperada é menor, a parte prefixada precisa subir, já que não há expectativa de corte imediato da Selic”, explica. O mesmo não aconteceu nos papéis mais longos – com vencimento em 24 ou 36 meses – porque, nesses casos, a projeção para a inflação tem se mantido ou recuado menos.

O Boletim Focus, divulgado semanalmente pelo Banco Central, atesta esse movimento. A expectativa dos agentes econômicos para o IPCA em 2023 caiu de 6,02% para 5,69% nas últimas quatro semanas. No mesmo período, no entanto, as estimativas para a inflação de 2024 recuaram apenas de 4,16% para 4,12%. Para 2025 e 2026, não mudaram – continuam em 4%.

CDBs pós-fixados

Entre os CDBs pós-fixados, que oferecem um percentual da taxa do CDI (indicador de referência para investimentos de renda fixa), também houve muitas reduções e algumas manutenções. Só subiu a remuneração máxima do CDB com vencimento em seis meses, que passou de 106% para 110% do CDI.

A menor taxa encontrada nessa categoria é de 90% do CDI, no caso dos papéis com vencimento em 12 meses, enquanto a maior é de 115%, para os CDBs com prazo de 24 meses.

Confira os retornos brutos dos CDBs pós-fixados entre os dias 23 de maio e 5 de junho:

Prazo (meses) Indexador Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos considerados Emissor do título com maior taxa
3 % do CDI 93,00% 101,06% 104,50% 24 ABC Brasil, BTG Pactual, China Construction Bank Brasil
6 % do CDI 97,50% 100,31% 110,00% 58 Banco Master
12 % do CDI 90,00% 100,74% 108,00% 52 Daycoval
24 % do CDI 98,00% 100,47% 115,00% 54 Banco Pan
36 % do CDI 100,00% 103,33% 111,00% 49 BR Partners

Fonte: Quantum Finance. Os retornos são brutos, sem descontar o Imposto de Renda.

Para Cruz, da RB Investimentos, por haver uma última corrida dos investidores pessoas físicas aos papéis de emissão bancária no curto prazo, aproveitando que as taxas – embora em queda – ainda não despencaram.

“A tendência para o segundo semestre é que os investidores voltem a olhar para a renda variável com mais interesse, quando começar o corte de juros e houver o reequilíbrio de outros interesses”, afirma. “O final do ano passado e esse semestre foram muito interesses para a renda fixa, mas isso deve diminuir adiante”.

Mariana Segala

Editora-executiva do InfoMoney