Brasileiros estão investindo mais em 2024; CDB foi a principal escolha do último ano

Produtos de renda fixa avançaram, enquanto fundos imobiliários foram destaque da renda variável

Monique Lima

(Foto: Tima Miroshnichenko/ Pexels)

Publicidade

Março foi o oitavo mês consecutivo em que a base de investidores pessoas físicas da B3 aumentou, somando 5,1 milhões de investidores em renda variável e 17,4 milhões em renda fixa. O total de investidores na Bolsa brasileira atingiu a marca de 19,4 milhões de pessoas físicas (descontando as duplicidades de investidores que investem em produtos das duas modalidades), uma alta de 2% nos últimos 12 meses.

Desde 2020, a base de investidores já cresceu mais de 80%, informou a B3 na última sexta-feira (17).

No último ano, renda fixa foi o principal chamariz, com destaque para os produtos bancários como CDBs, RDBs, LCIs e LCAs, que ganharam 1,9 milhão de novos investidores entre março de 2023 e março de 2024. O total sob custódia desses títulos atingiu R$ 1,7 trilhão, alta de 22% no ano. Porém, o saldo mediano caiu de R$ 7 mil para R$ 6,3 mil.

Continua depois da publicidade

O Tesouro Direto teve um crescimento mais tímido no mesmo período, 500 mil novos investidores, segundo a B3. O valor em custódia aumentou 23%, para R$ 130 bilhões, mas o saldo mediano também caiu na comparação anual, de R$ 3,1 mil para R$ 2,4 mil.

Por fim, a dívida corporativa, composta por produtos como debêntures, CRIs, CRAs e notas comerciais, teve aumento de saldo mediano, de R$ 43 mil para R$ 48 mil, com o valor sobre custódia subindo a R$ 310,3 bilhões e o número de investidores registrando um aumento de 32%, em 182,8 mil.

A Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima) já havia divulgado que a captação de debêntures foi um destaque neste ano, representando uma grande parcela do total de captações de renda fixa.

Continua depois da publicidade

Renda variável brilha menos

Enquanto os produtos de renda fixa crescem, os de renda variável tiveram um desempenho dividido no último ano. Ações e fundos imobiliários registraram crescimento no número de investidores e no valor sob custódia, embora o saldo mediano tenha caído.

Já os ETFs e os recibos de ações internacionais (BDRs) viram seus investidores diminuírem entre março de 2023 e março de 2024, embora o valor sob custódia e o saldo mediano tenham aumentado.

Os investidores de ações cresceram em 400 mil. O valor sob custódia do produto aumentou 23%, para R$ 384,7 bilhões, enquanto o saldo mediano diminuiu para R$ 1,8 mil, dos R$ 2,2 mil anteriores.

Continua depois da publicidade

Fundos imobiliários ganharam 500 mil novos investidores no último ano. O total sob custódia aumentou 33%, para R$ 137 bilhões, mas o saldo mediano caiu de R$ 3 mil para R$ 2,6 mil.

Por fim, ETFs e BDRs perderam 14,5 mil e 900 mil investidores, respectivamente, mas aumentaram seus valores detidos em 45% e 56%, para R$ 12,4 bilhões e R$ 8,7 bilhões.

Experiência do investidor

Felipe Paiva, diretor de relacionamento com clientes e pessoas físicas da B3, acredita que a evolução do mercado está relacionada com o avanço da tecnologia que permite melhorar a experiência do usuário.

Continua depois da publicidade

“Os brasileiros já se acostumaram com as facilidades que a tecnologia pode proporcionar em diferentes áreas de economia, e não seria diferente para o mundo das finanças. O nosso papel é construir facilidades e novidades para tornar a experiência cada vez melhor, entregando otimização de tempo, serviço e informação”, diz Paiva.