Alternativas de investimento

BDR ou ETF: qual a melhor maneira de investir no S&P 500?

Ativos são negociados em Bolsa como uma ação, com diferenças relativas à estrutura de custos e à liquidez

SÃO PAULO – No dia 8 de fevereiro, o investidor pessoa física passou a ter permissão para investir nos BDRs de ETFs, ativos que começaram a ser negociados na Bolsa brasileira no fim do ano passado e que visam replicar o desempenho de grandes índices globais. Entre eles está o S&P 500, que acompanha as ações das 500 maiores empresas listadas nas bolsas nos Estados Unidos.

No ano passado, o S&P 500 teve valorização de 16,2%, e o dólar, ao qual o produto global negociado na B3 está diretamente exposto, avançou cerca de 30%.

Com a mudança, a nova alternativa de investimento se somou a outros veículos que já permitem ao brasileiro investir em índices internacionais, como os ETFs da própria BlackRock (IVVB11) e do Itaú (SPXI11). Ambos também replicam o benchmark americano e são oferecidos há bem mais tempo na B3 – o primeiro foi lançado em abril de 2014 e o segundo, em janeiro de 2015.

Em essência, tanto com os ETFs quanto com o novo BDR de ETF, negociado sob o código BIVB39, o investidor terá a mesma exposição ao desempenho do índice acionário dos Estados Unidos. Dessa forma, o retorno será fruto das variações do S&P 500 e do dólar em relação à moeda brasileira.

As maiores diferenças dizem respeito ao custo dos produtos, com um valor mínimo menor e com taxas de administração, ainda que baixas, pesando contra os ETFs em detrimento aos BDRs, e à liquidez.

Para investir no BDR da BlackRock, há uma taxa de administração do ETF de referência nos Estados Unidos, o iShares Core S&P 500, de 0,03% ao ano. Já o ETF da gestora tem a mesma taxa, acrescida de um custo no Brasil de 0,20%, o que culmina na taxa final de 0,23% ao ano sobre o valor aplicado.

O produto do Itaú (It Now SPXI11) tem uma taxa um pouco menor que a do ETF da BlackRock, de 0,21%, referente ao índice Vanguard S&P 500, mas também superior ao do BDR.

 

PUBLICIDADE

Nos dois produtos, os demais custos envolvidos são semelhantes aos de uma operação com ações brasileiras, uma vez que ambos são negociados em Bolsa.

O investidor geralmente precisa pagar uma taxa de corretagem para a corretora que utiliza para operar na B3. Além disso, há os emolumentos devidos à B3 e, possivelmente, taxa de custódia (muitas corretoras já isentam os investidores desse custo).

Além disso, nos dois instrumentos, há cobrança de alíquota de 15% sobre o ganho obtido nas negociações. E fica sob a responsabilidade do próprio investidor calcular o valor devido com base no lucro das vendas realizadas no mês e pagar, via DARF (Documento de Arrecadação de Receitas Federais), até o último dia do mês seguinte à venda.

Muita gente se depara com uma dúvida no que diz respeito à isenção fiscal para determinados valores. Portanto, que fique claro: diferentemente das ações, BDRs e ETFs de renda variável não contam com a isenção de imposto em caso de vendas de até R$ 20 mil ao mês.

Aporte mínimo e liquidez

Cabe destacar ainda que o valor necessário para adquirir os ativos também muda. Na última quarta-feira (10), os BDRs de ETFs referenciados no S&P 500 eram negociados em Bolsa na faixa dos R$ 52. Já no caso dos ETFs, os valores ficam acima dos R$ 200.

O fundo de índice da BlackRock que replica o S&P 500 era negociado a R$ 229,56 na quarta-feira (10), tendo registrado valorização de 51,4% em 2020 segundo dados da Economatica, o que embute a alta do benchmark da bolsa americana e do dólar. Importante lembrar que o lote padrão para aquisição do ativo corresponde a uma cota negociada na B3.

Já o par do Itaú era negociado a R$ 221,35 na quarta-feira (10), e rendeu 51,3% no ano passado.

Em termos da liquidez, por serem produtos com os quais o investidor brasileiro começou a se familiarizar há pouco tempo e por ficarem restritos a um grupo com maior patrimônio por muito tempo, os BDRs ainda seguem bem para trás. O volume médio diário negociado foi de R$ 115 milhões em 2020, considerados todos os cerca de 700 BDRs disponíveis na Bolsa, contra R$ 21 milhões, em 2019.

PUBLICIDADE

Entre os BDRs, o mais negociado em 2020 foi o da Tesla (TSLA34), com volume médio diário na B3 de R$ 10,3 milhões, seguido pelo do Mercado Livre (MELI34), com R$ 8,4 milhões.

No caso dos ETFs, o volume médio diário foi de R$ 1,4 bilhão no ano passado, ante R$ 600 milhões, em 2019, o que se reflete, na prática, em uma facilidade maior do investidor para comprar ou vender os ativos, diz Marcos de Callis, estrategista da Hieron Patrimônio Familiar e Investimentos. “A liquidez do ativo é um ponto muito relevante a ser considerado antes do investimento”, afirma.

No caso do ETF de S&P 500 da BlackRock, o volume médio diário foi de R$ 75 milhões em 2020, contra R$ 10 milhões em 2019. No produto do Itaú, o giro foi de R$ 9 milhões no ano passado, contra R$ 1,8 milhão no anterior.

O ETF com maior liquidez no mercado é o BOVA11, da gestora americana, que replica o Ibovespa, com volume médio diário de R$ 1 bilhão em 2020.

Já pensou em ser um broker? Esta série gratuita do InfoMoney mostra como entrar para uma das profissões mais bem remuneradas do mercado. Deixe seu e-mail abaixo para assistir.