Banco do Brasil (BBAS3) tem “combinação rara”, diz Alaska, com visão construtiva para ação

Em entrevista ao Outliers, Henrique Bredda destacou que ROE do banco tem se destacado em relação a pares e que múltiplos da instituição estão baixos

Bruna Furlani

Publicidade

Embora seja um papel que possui mais riscos de ingerência política no radar por ser uma estatal, há quem defenda que as ações do Banco do Brasil (BBAS3) detêm uma “combinação rara” neste momento, com valution (preço) baixo e bons dividendos.

A visão mais construtiva para as ações da estatal foi compartilhada por Henrique Bredda, sócio-fundador e gestor da Alaska Asset Management, ao Outliers, da XP, desta semana. O episódio marca a volta do executivo a entrevistas públicas após meses de “ostracismo”.

“O ROE [retorno sobre patrimônio líquido] oferecido pelo Banco do Brasil está há uns trimestres sendo o melhor do setor inteiro. É uma empresa que não deve ter tanto crescimento, mas que tem um crescimento respeitável. É um nome bom e que ainda é mal visto”, afirmou Bredda.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

No terceiro trimestre, o ROE do banco ficou em 21,3% — estável em relação ao 2T23. O percentual ficou ligeiramente acima dos 21,1% registrados pelo Itaú e dos 11,3% apresentados pelo Bradesco no mesmo período.

Bredda ganhou fama no passado por ter obtido grandes lucros nos fundos com uma posição acertada em Magazine Luiza (MGLU3). Mas, se deparou com perdas severas na crise de 2020, ano em que o fundo Alaska Black BDR tombou 45% e a casa viu uma fuga de investidores.

No acumulado de 2023, alguns dos principais fundos da casa, como o Alaska Institucional e o próprio Alaska Black BDR, apresentaram retornos de 35,56% e 58,74%, respectivamente. No mesmo período, o Ibovespa avançou 22,28%.