Radar InfoMoney Light vende fatia na Renova Energia por R$ 1; Vale produz 86,7 milhões de toneladas de minério no terceiro tri e mais destaques

Light vende fatia na Renova Energia por R$ 1; Vale produz 86,7 milhões de toneladas de minério no terceiro tri e mais destaques

Carteira campeã

As ações e estratégias que levaram a carteira da BB Investimentos a subir quase 8%

Das 14 ações que compõe a carteira da BB Investimentos, 13 ficaram com resultado positivo no mês de outubro

SÃO PAULO – A carteira recomendada da BB Investimentos foi a campeã no Ranking do InfoMoney no mês de outubro, com rentabilidade de 7,76%. Este resultado expressivo fez a corretora pular para a oitava posição no ranking anual, que possui 22 instituições. No ano, a rentabilidade acumulada da BB ficou positiva em 4,16%, ou 15,15 p.p. acima do Ibovespa. O estrategista de renda variável, Hamilton Moreira Alves, responsável pela produção da carteira, contou as estratégias vencedoras da corretora na hora de selecionar os papéis.

De acordo com ele, uma das principais estratégias foi incluir o setor de consumo, que tinha uma boa tendência de alta no mês. As apostas da corretora neste segmento foram: Hypermarcas (HYPE3), Lojas Renner (LREN3) e Pão de Açúcar (PCAR4). “A expectativa de resultado das três era muito boa, então elas estavam com uma tendência forte de alta. Foi o que aconteceu”, afirmou.

Na visão da BB, o setor de siderurgia e mineração também ia performar bem, o que os levou a apostar na Usiminas (USIM3) e na Gerdau (GGBR4). “Em relação ao setor de construção civil, que também teve uma posição importante na carteira, foi pelo fato da entrada de mais investidores estrangeiros na bolsa, afinal, eles gostam muito deste segmento. Sempre que tem entrada, o setor sobe, quando eles saem, desaba. Não tem erro”, disse Alves.

PUBLICIDADE

Já a escolha por bancos (Itaú Unibanco [ITUB4]) e financeiras (Cielo [CIEL3]) foi pelo fato de que o setor costuma costumam performar bem no último trimestre do ano, enquanto a escolha pela Suzano (SUZB5) foi pela alta do dólar, que beneficia a companhia, focada em exportação.

A principal estratégia que esteve por trás de todas as escolhas foi, segundo o especialista, foi escolher papéis que pertencem ao Ibovespa. “Todos os papéis são do índice, porque acreditávamos que ele ia subir bem. Nós focamos nos ativos que tinham tendência de subir mais que o próprio índice”, explicou.

Por fim, em relação à Petrobras (PETR4), o estrategista disse que sua performance no mês, com alta de 11%, surpreendeu, mas que ela não estava com um peso de 10% na carteira por acaso. “Acreditávamos que o leilão do Campo Libra pudesse favorecer, mas, sinceramente, não esperávamos algo como o anuncio da metodologia, que foi o principal driver de alta das ações. Foi uma surpresa muito agradável”, afirmou.

Ainda segundo ele, a Petrobras, que permaneceu na carteira com o mesmo peso em novembro, foi a escolha mais difícil do mês, porque tudo depende do dia 22. “Não sei como o mercado vai encarar se a decisão não for como o esperado, mas se for bom, o teremos um novo grande rali da Petrobras”, finalizou Alves.

14 papéis, 13 altas
Das 14 ações que compõe a carteira da BB Investimentos, 13 ficaram com resultado positivo no mês de outubro. Os papéis que mais subiram no período foram os da Cielo (CIEL3), Usiminas (USIM3), Petrobras (PETR4), Pão de Açúcar (PCAR4) e Itaú Unibanco (ITUB4), com elevações de 13,35%, 12,83%, 11%, 10,77% e 10,04%, respectivamente.

As ações que fecharam o mês em queda na carteira foram as da Cyrela (CYRE3), com desvalorização de 0,72%.