Em onde-investir / acoes

3 ações que caíram este ano, mas são boas apostas para o longo prazo

Sonae Sierra Brasil, B2W e BR Properties são as grandes apostas dos analistas para o longo prazo. As três estão com uma queda acumulada expressiva em 2013

Sonae Sierra Brasil 03 - Parque D Pedro Shopping
(Divulgação Sonae Sierra Brasil)

SÃO PAULO – Ações com desempenho negativo no acumulado do ano não indicam necessariamente que os investidores têm que ficar longe delas, pois, de acordo com analistas, elas podem ser de companhias ainda não descobertas pelas corretoras, que não tem liquidez por estarem fora do radar, ou que estão muito baratas e terão uma grande valorização no longo prazo.

Alguns analistas consultados pelo InfoMoney indicaram as principais ações que, apesar de estarem tendo um ano ruim, são ótimas apostas para quem está focando um horizonte mais distante, pois, de acordo com eles, elas tendem a valorizar muito ao longo dos anos.

Sonae Sierra Brasil
A Sonae Sierra Brasil (SSBR3) é a empresa do setor de shoppings mais barata que tem atualmente, segundo o analista da Gradual Investimentos, Flávio Conde. “A companhia está totalmente fora do radar das corretoras, são poucas pessoas que a acompanham, o que torna ela uma opção interessante, afinal, é uma empresa muito boa e com dívida muito pequena que as corretoras não descobriram ainda”, afirmou.

De acordo com contas das métricas das companhias do setor, realizadas pelos analistas Paulo Esteves e Flávio Conde, em termos de valor da empresa por metro quadrado, a Multiplan (MULT3) tem R$ 20 mil, a Iguatemi (IGTA3) R$ 19 mil, a BR Malls (BRML3) R$ 13 mil, a Aliansce (ALSC3) R$ 10 mil e a Sonae Sierra R$ 9.200, o que já mostra uma grande diferença.

Em questão de valor por Ebitda, o estudo mostra Multiplan com 17,5x, Iguatemi com 15,5x, BR Malls com 13,5x, Aliansce com 16x e Sonae Sierra com 10,7x, enquanto o preço pelo fluxo de fundos operacionais ajustados mostra Aliansce com R$ 21 mil, BR Malls com R$ 20 mil, Multiplan com R$ 18 mil, Iguatemi com R$ 13 mil e Sona Sierra com R$ 11,5 mil. Todos os números são referentes a dezembro de 2012 e mostram uma grande discrepância. “Ela é muito barata, mas as pessoas não fazem essas contas. A Sonae tem dois sócios muito fortes, com muita expertise e muito dinheiro. Tanto dinheiro que eles nem precisam muito do mercado, por isso trabalham mais para dentro do que pra fora. Definitivamente é um papel que as corretoras não descobriram ainda”, finalizou.

As ações da Sonae Sierra Brasil estão com uma queda acumulada de 34,00% em 2013.

BR Properties
A BR Properties (BRPR3) está com uma dívida muito grande atualmente, o que fez as ações da companhia sofrerem muito neste ano. Além disso, de acordo com Adriano Moreno, analista da Futura Investimentos, o risco de vacância dos prédios que ela aluga e a alta da taxa básica de juro também colaboraram para a má fase da companhia “Mas isso tende a ser devolvido a partir de agora”, afirmou.

De acordo com ele, ela está tradeando bem abaixo do valor dos ativos líquidos que ela possui e, as ações, já muito penalizadas por um exagero na dose por parte dos investidores, tendem a subir bem nos próximos 12 meses.

As ações da BR Properties estão com uma queda acumulada de 26,83% em 2013.

B2W
Outro exemplo de companhia que está indo mal em 2013, mas que deve performar bem no longo prazo é a B2W (BTOW3), que, de acordo com o analista da Amaril Franklin, Eduardo Machado, está com desempenho negativo ao longo dos anos por conta de problemas relacionadas à logística e atrasos de entrega de produtos. “Desde 2008 a empresa está com um desempenho muito ruim, mas agora vai começar a se recuperar. Ela irá entrar em uma fase mais otimista à medida que a penetração da internet nos lares brasileiros está cada vez maior, bem como a popularização do smartphone. Essas coisas tendem a deixar o alcance do seu formato de negocio maior”, explicou.

Ainda segundo o analista, o resultado operacional da companhia vem mostrando crescimento, apesar de ela ainda apresentar prejuízo. A reestruturação de divida, que está grande, também está sendo muito importante. “Tudo está sendo reavaliado para a melhora da performance da companhia”, disse.

As ações da B2W, que atualmente valem R$13,98 (fechamento do dia 19 de agosto), estão com uma queda acumulada de 17,76% em 2013. O preço-alvo da corretora é de R$ 18,50 até o final do ano, o que representa um upside de 32,33%.

“À medida que forem implementadas as melhorias da empresa, como já estamos acompanhando, o retorno será cada vez mais satisfatório para os investidores”, finalizou.

 

Contato