51 FIIs pagam dividendos acima da Selic, e fundo de hotéis lidera; veja maiores pagadores

HTMX11 lidera os pagamentos, com 21,93% no período encerrado em janeiro

Ana Paula Ribeiro

Publicidade

A Selic foi a 11,25% ao ano após novo corte de 0,5 ponto percentual na última semana, deixando mais uma vez em evidência as taxas mais altas de retorno entre os fundos imobiliários (FIIs), classe de ativos conhecida por remunerar o investidor regulamente – e, por isso, ter cada vez mais espaço em uma carteira focada em proventos.

Com o novo recuo dos juros básicos da economia, são 51 os FIIs que entregam ao cotista um dividend yield (retorno proveniente de proventos) superior. O campeão é o fundo Hotel Maxinvest (HTMX11), com rendimento de dividendos de 21,93% nos últimos 12 meses.

Esse é o maior desempenho entre os 108 fundos imobiliários que fazem parte do Ifix – índice que reúne os FIIs mais líquidos da B3 -, segundo dados da Economatica, plataforma de informações financeiras. No início de janeiro, o HTMX11 pagou R$ 3,25 por cota.

Oferta Exclusiva para Novos Clientes

Jaqueta XP NFL

Garanta em 3 passos a sua jaqueta e vista a emoção do futebol americano

Veja os 10 fundos imobiliários com os maiores dividendos da Bolsa – todos acima da taxa Selic a 11,25% ao ano:

TickerFundoSegmentoDividend Yield em 12 meses
HTMX11Hotel MaxinvestHotel21,93
CACR11Cartesia Recebíveis ImobiliáriosHíbrido16,50
VGIR11Valora CRITítulos e Val. Mob.
15,07
HABT11Habitat IITítulos e Val. Mob.14,93
RZAT11Riza Arctium Real EstateOutros14,85
RBRX11RBR Plus Multiestratégia Real EstateHíbrido14,83
SPXS11SPX Syn MultiestrategiaHíbrido14,75
RBRY11RBR Crédito ImobiliárioTítulos e Val. Mob.14,62
RZAK11Riza AkinTítulos e Val. Mob.14,60
URPR11Urca Prime RendaTítulos e Val. Mob.14,56
Fonte: Economatica

Danilo Bastos, especialista em fundos imobiliários, lembra que o dividend yield é uma relação entre o montante que é distribuído e o valor da cota e, para além da carteira que pagou mais ou menos dividendo, é importante entender os motivos que levaram a um determinado percentual de retorno.

“A distribuição de lucro pode ter relação a algo não recorrente, como a venda de um imóvel. Pode ser também um fundo de papel que está bem posicionado em CDI ou, quando se olha o preço da cota, um fundo que caiu muito por ter algum risco e quando distribui dividendo, a relação fica elevada”, explica.

Continua depois da publicidade

Venda de ativos

O HTMX11 investe majoritariamente em hotéis localizados na capital paulista. Ao todo são 452 quartos em 22 empreendimentos.

A maior parte dos apartamentos (60%) são classificados como mid scale – intermediários em relação ao conforto e sofisticação – e econômico (40%). Os espaços estão concentrados principalmente nos bairros do Itaim e do Brooklin. A taxa de ocupação em outubro, último dado disponível, foi de 61%.

“O HTMX11 tem um dividend yield elevado e (parte) não é recorrente. A carteira distribui parte do resultado da venda de imóveis. Uma parte aluga, mas também há o lucro pela venda”, explica Bastos.

Outro fundo que ficou entre os destaques do período foi o híbrido Cartesia Recebíveis Imobiliários (CACR11), com um dividend yield de 16,50% nos 12 meses encerrados em janeiro.

Na avaliação do especialista, na hora de montar a carteira de FIIs, é importante que o investidor faça uma combinação entre FIIs entre fundos mais seguros e alguns de risco maior, que em geral possuem um valor da cota negociado com maiores descontos.

“Os fundos mais arriscados podem representar 20% ou no máximo 30% da carteira, desde que sejam comprados com desconto no caso dos fundos de papel”, explica.

Newsletter

Liga de FIIs

Receba em primeira mão notícias exclusivas sobre fundos imobiliários

E-mail inválido!

Ao informar os dados, você concorda com a nossa Política de Privacidade.

Ana Paula Ribeiro

Jornalista colaboradora do InfoMoney