Em noticias

Entenda melhor o funcionamento do rateio nas ofertas públicas de ações

Procedimento ocorre quando procura dos investidores de varejo supera quantidade de ações oferecida pela empresa

v class="show-for-large id-0 cm-clear float-left cm-mg-40-r cm-mg-20-b" data-show="desktop" data-widgetid="0" style="">
SÃO PAULO - Refletindo fatores como a queda nos juros e o maior interesse por parte dos investidores, o número de empresas que abriram capital na Bovespa aumentou consideravelmente nos últimos anos. Com o crescimento da base de investidores, a demanda superou, em boa parte das ofertas realizadas, a quantidade de ações ofertadas pelas empresas.

É essa grande procura que leva os coordenadores das ofertas a aplicar o método de rateio na hora de distribuir as ações entre os investidores. Por isso, muitas vezes o valor que você reserva na oferta não é atendido integralmente, ou seja, você leva menos papéis do que desejava.

Dois tipos de rateio são os mais usados, o igualitário e sucessivo e o proporcional.

Igualitário e sucessivo
O método igualitário e sucessivo tem se mostrado muito popular em lançamentos recentes, e, portanto, vale a pena conhecer o processo em detalhes. Imagine que uma empresa registre uma oferta de 30 milhões de ações e que 10% sejam destinados ao varejo. Caso o papel seja precificado a R$ 10,00, o volume total da captação será de R$ 300 milhões, dos quais R$ 30 milhões destinados ao varejo.

Caso o total das ofertas dos investidores de varejo fique abaixo de R$ 30 milhões, os pedidos são atendidos integralmente. Ou seja, quem colocou um pedido de R$ 3.000 receberá R$ 3.000 e quem colocou R$ 300 mil receberá o valor integral.

Porém, o que pode acontecer é que a demanda supere o valor ofertado, forçando o coordenador a aplicar o rateio. Imagine que 10 mil investidores de varejo demonstraram interesse em adquirir as ações, com o total de pedidos superando R$ 30 milhões.

Neste método de rateio, cada um, independente dos valores de cada reserva (seja R$ 3 mil ou R$ 300 mil), receberá 300 ações, que seria equivalente ao total de ações ofertado no varejo (3 milhões de ações) dividido pelo número de investidores (10 mil). A um preço de R$ 10 por ação, cada investidor deverá dispor de R$ 3.000.

Proporcional
Outra forma de rateio muito utilizada é a proporcional, que na maioria das vezes é utilizada em conjunto com o igualitário e sucessivo. Vamos novamente considerar uma situação em que o total da demanda excedeu a oferta.

Neste caso, o coordenador estabelece um corte para a aplicação do rateio igualitário e sucessivo, que pode ser de R$ 3.000, por exemplo. Até este valor, os investidores recebem o mesmo número de ações igualmente. Logo, se sua reserva foi de R$ 10.000, até R$ 3.000 (ou 300 ações) você está sujeito ao rateio igualitário e sucessivo, mas e o restante?

Os R$ 7.000 que sobraram ficam sujeitos ao rateio proporcional, que é uma porcentagem estabelecida pelo coordenador. Imagine que o rateio seja de 20%, porcentagem aplicada no valor restante. Ou seja, 20% sobre R$ 7.000 (diferença entre R$ 10 mil e R$ 3 mil do "corte") resultariam em R$ 1.400 (ou 140 ações). Desta forma, considerando os números da oferta apresentados anteriormente, o investidor receberá 440 ações, 300 das quais pelo rateio igualitário e 140 pelo proporcional.

Neste método, portanto, o valor da reserva, mesmo que ocorra rateio, irá influenciar a alocação do investidor. Quem colocou reserva de R$ 3.000 irá receber 300 ações, correspondentes a este valor. Já uma reserva de R$ 10 mil resultará em 440 ações, enquanto uma reserva de R$ 300 mil resultará em R$ 62,4 mil (R$ 3.000 + 20% de R$ 297 mil).

De olho no prospecto
Desta forma, na hora de fazer seu pedido de reserva para uma oferta pública, sempre analise a forma de rateio adotada, informação que pode ser obtida no prospecto preliminar.

Por um lado, a adoção somente do rateio igualitário e sucessivo permite que o investidor coloque um pedido de acordo com sua necessidade, sem risco de ser alocado com mais ações do que efetivamente gostaria.

Já no rateio proporcional, o investidor deve prestar mais atenção. É comum que investidores, prevendo que ocorrerá rateio, submetam pedidos muito maiores do que realmente poderiam. Ou seja, o investidor acredita em um rateio elevado e coloca um pedido significativo, esperando contar apenas com uma proporção disso.

No entanto, caso a transação não apresente a demanda esperada, existe o risco de o pedido ser atendido integralmente, ou seja, um investidor que esperava obter R$ 10 mil, e apostando em um rateio de 20% submeteu pedido de R$ 50 mil, pode ser alocado com o montante integral, exatamente em uma transação na qual a demanda não foi significativa.

 

Contato